Pelo menos de acordo com as pesquisas no Google,  1º de janeiro é o dia da ressaca. É nessa data que buscas sobre coisas como o que é bom para ressaca superam todas as outras. Para se ter uma ideia, o interesse é quase 10 vezes maior do que a média do restante do ano.

O motivo? Todos estavam se divertindo na véspera de Ano Novo e esqueceram dos efeitos no dia seguinte. A boa notícia é que é possível acalmar esses sintomas incômodos com dicas simples.

o que é bom para a ressaca-iStock Getty Images-doutissima
Os cientistas ainda não compreendem totalmente o que causa a ressaca. Foto: iStock, Getty Images

Por que essa sensação é tão ruim?

Cientistas ainda não compreenderam totalmente as causas desse mal-estar. Afinal, mesmo depois de todos vestígios de álcool serem totalmente expulsos do corpo, você ainda pode experimentar uma carga de terríveis sintomas – dores de cabeça, tonturas, fadiga, náuseas, problemas de estômago, sonolência, sudorese, sede excessiva e imprecisão cognitiva.

Uma das explicações mais simples é que o consumo de álcool provoca desidratação porque ele atua como um diurético. Em outras palavras, aumenta a produção de urina, já que as pessoas não costumam beber água enquanto consomem bebidas alcoólicas.

Porém, vale lembrar que pesquisadores da Universidade de Utrecht, na Holanda, não encontraram correlação entre níveis de hormônios associados à desidratação e a gravidade da ressaca. Grande parte dos cientistas acredita que a ressaca é impulsionada pelo fato de o álcool interferir no equilíbrio natural do corpo.

A teoria mais atraente do momento é a de que a ressaca resulta na formação de acetaldeído no corpo – um composto que se estima ser de 10 a 30 vezes mais tóxico que o próprio álcool. Em estudos controlados, pesquisadores têm encontrado uma relação entre essa substância e sintomas como sudorese, rubor da pele, náuseas e vômitos.

O que é bom para ressaca no final de ano?

Depois de uma noite de bebedeira, a melhor aposta para prevenir a ressaca é beber litros de água e comer alguma coisa, certo? Errado!

Um estudo recentemente apresentado na reunião anual do European College of Neuropsychopharmacology indica que beber água ou comer depois de ingerir bebidas alcoólicas tem praticamente nenhum efeito sobre os sintomas da ressaca do dia seguinte. Por isso, o único método eficaz para evitar uma ressaca é consumir álcool com moderação.  

Além disso, evite fumar enquanto bebe. Não se sabe ao certo por que essa combinação interfere na ressaca do dia seguinte, mas a principal suposição é de que o tabagismo estimula as pessoas a beberem mais, de acordo com pesquisa publicada na revista Drug and Alcohol Dependence.

Para gerenciar os sintomas também é importante a reidratação do corpo. Já os analgésicos são capazes de auxiliar com dores de cabeça e cãibras musculares. Caso tenha desconforto estomacal, um antiácido muitas vezes é a melhor solução – se você prefere algo natural natural, sopa de caldo de carne e caldo com base vegetal são boas fontes vitaminas.

Lembre-se ainda de que beber mais álcool não está entre as dicas do que é bom para a ressaca. Aliás, esse é um hábito arriscado. Especialistas aconselham esperar 48 horas antes de ingerir mais bebida alcoólica. Esse é o tempo que o corpo precisa para se recuperar – e com uma ressaca é bem provável que você consiga seguir esse conselho.

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!