[the_ad_group id="16401"]
Especialidades

Bronquite aguda e crônica: cuidados neste inverno!

Por Redação Doutíssima 16/05/2013

images (2)

A bronquite é a inflamação dos brônquios que dificulta a passagem de ar para os pulmões. Existem dois tipos de bronquite, a aguda e a crônica. A bronquite aguda ou crônica é caracterizada por tosse e expectoração (que expulsa, por meio da tosse, secreções provenientes da traquéia, brônquios e pulmões) e sintomas relacionados à obstrução das vias aéreas pela inflamação e pelo expectorado, como dificuldade de respiração e chiados. O tratamento pode ser realizado com antibióticosbroncodilatadores, entre outros. Bronquite Aguda A bronquite aguda é causada geralmente por vírus ou bactérias por uma infecção viral dos brônquios devido à gripe ou um resfriado. Os sintomas ocorrem de repente e duram apenas alguns dias. No início, ela afeta o nariz, os seios da face e a garganta e, depois, se espalha para os pulmões. Às vezes, pode-se contrair uma infecção bacteriana secundária nas vias respiratórias. Isso significa que a bactéria infectou as vias respiratórias, além do vírus. As crises podem ser desencadeadas pelo contato com poluentes ambientais e químicos (poeira, inseticidas, tintas, ácaros, etc.). O cigarro é o principal responsável pelo agravamento da doença. O Tratamento para bronquite aguda é principalmente sintomático. Anti-inflamatórios podem ser usados ​​para tratar a febre e dor de garganta. Descongestionantes podem ser úteis em pacientes com congestão nasal, e expectorantes pode ser utilizado para soltar muco e catarro. Mesmo sem tratamento, a maioria dos casos de bronquite aguda resolve rapidamente. A maioria dos casos de bronquite aguda são causadas por uma infecção viral e somem em poucas semanas, apenas cerca de 10% dos casos de bronquites são causadas por infecção bacteriana. Para o tratamento não deve ser usados antibióticos em casa da bronquite aguda causada por vírus, devem ser usados no caso da bronquite aguda bacteriana. Uso de antibióticos em pacientes sem infecções bacterianas promove o desenvolvimento de bactérias resistentes aos antibióticos , o que pode levar a uma maior morbidade e mortalidade . No entanto, mesmo em casos de bronquite viral, os antibióticos podem ser indicados em alguns pacientes, a fim de prevenir a ocorrência de infecções bacterianas secundárias. Bronquite crônica A bronquite crônica é um tipo de doença pulmonar obstrutiva crônica,  aumenta o risco de outras infecções respiratórias, particularmente o da pneumonia. A doença pode instalar-se como extensão da bronquite aguda, mas  a principal causa da doença é a fumaça do cigarro. Por ser uma enfermidade rara entre os nãos fumantes, é conhecida também por “tosse dos fumantes” É definida por uma tosse produtiva que dura de três meses a 2 anos.Outros sintomas podem incluir chiado e falta de ar, especialmente durante exercícios físicos. E o catarro produzido pode ter uma cor amarela ou verde podendo aparecer sangue. O fluxo de ar para dentro e para fora dos pulmões é parcialmente bloqueada devido ao inchaço  do muco e extra nos brônquios ou devido a reversível broncoespasmo. Pode ser tratada através da redução broncoespasmo (estreitamento reversível dos brônquios de menor devido à constrição do músculo liso ) com broncodilatadores inalatórios, como β-adrenérgicos agonistas (por exemplo, salbutamol ) e inalados anticolinérgicos (por exemplo, brometo de ipratrópio ). O método mais eficaz de prevenir bronquite crônica  é evitar fumar cigarros e outras formas de tabaco.

Sinais e sintomas de bronquite

 

Prevenção

Na bronquite crônica, é importante a vacinação anual contra o vírus causador da gripe, uma vez que esta pode piorar a doença. Com este mesmo objetivo, é indicado também o uso da vacina contra o pneumococo, que é a principal bactéria causadora de infecções respiratórias, entre elas a pneumonia, e é claro, a própria bronquite crônica. A vacinação deve ser feita uma única vez e, em casos específicos, pode ser repetida depois de cinco anos. Diagnóstico Ao examinar o paciente, o médico pode notar roncos e outras alterações na auscultação do tórax com o estetoscópio. A história clínica irá definir se o caso é agudo ou crônico . O médico poderá também solicitar exames complementares, tais como:

  • Radiografia do tórax para concluir se a doença se agravou para pneumonia.
  • Exame do escarro para a identificação do germe envolvido.
  • Análise do sangue poderão identificar que sinalizem infecção viral ou bacteriana.
  • Espirometria, que mede a capacidade e função pulmonar.

Recomendações * Reúna todas as forças e tente parar de fumar. Se não conseguir, tente fumar menos e evite locais onde haja pessoas fumando; * Beba bastante água, pois ela ajuda a diluir as secreções brônquicas e facilita a expectoração; * Lave as mãos com frequência; * Utilize máscara ou outro equipamento protetor, se você está sujeito à inalação de elementos irritantes; * Evite contato com pessoas resfriadas, gripadas ou com outras doenças transmissíveis por via respiratória; * Não iniba a tosse produtiva; * Evite permanecer muito tempo em ambientes com ar condicionado ou em locais com ar seco demais.


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]