[the_ad_group id="16401"]
Qualidade de vida

Fuja do estresse e ganhe mais qualidade de vida

Por Redação Doutíssima 16/05/2013

 

 

O estresse é um dos principais desafios dos profissionais de alta performance. Afastar esse mal desgastante reflete em ganhos de qualidade de vida.

Você se considera uma pessoa estressada demais? As causas para isso podem estar em uma equação desigual: tempo demais passado no trabalho e pouca dedicação à vida pessoal. Os especialistas costumam dizer que uma dose de estresse é muito bem-vinda. Serve como força propulsora, movida por substâncias como a adrenalina, produzidas pelo organismo nos momentos de tensão. São elas, por exemplo, que ajudam a realizar diversas atividades ao mesmo tempo. Mas o seu excesso mina o organismo.

Entre os efeitos estão a insônia, o cansaço frequente e o desânimo. Em níveis muito elevados, o estresse passa a ter outra designação, a Síndrome de Burnout, batizada assim pelos americanos.

Veja os principais efeitos que o estresse provoca no corpoEstresse Infogravico

Quem sofre de Burnout se sente, literalmente, sem saída. O problema vem acompanhado de muita ansiedade e, muitas vezes, de depressão. Há também redução da libido, aumento ou diminuição do apetite, irritabilidade e até mesmo pensamentos suicidas. “Fora do escritório, a pessoa pode se isolar e evitar encontros com os amigos”, explica Ana Luiza Camargo, psiquiatra do Einstein.

Vale saber que pessoas muito perfeccionistas, controladoras, extremamente exigentes com os outros e consigo mesmas estão mais vulneráveis a desenvolver os distúrbios ligados ao excesso de estresse e ansiedade. Para que elas retomem o equilíbrio interno, muitos médicos costumam lançar mão de medicamentos que ajudam a controlar a ansiedade ou que atuam diretamente na depressão. Quando o quadro é mais leve, a psicoterapia pode funcionar muito bem. Como é possível lidar com o excesso de demandas, de exigências profissionais, e manter uma rotina menos ansiosa? “Saber dividir o tempo, ter planejamento, jogo de cintura,concentrar-se mais na execução do agora, conhecer os próprios limites físicos e mentais e respeitá-los e, ainda, saber lidar com as frustrações inerentes às situações da vida”, afirma a médica.

Fuja do estresse

Sintomas:
Insônia, cansaço frequente, falta de disposição, desânimo, irritação, diminuição ou aumento de apetite, perda da libido.

Fatores de risco:
Ausência de uma atividade física frequente ou mesmo de uma terapia relaxante, excesso de trabalho e de autocobrança.

Tratamento:
Se os níveis de estresse estão elevados demais, os médicos podem recorrer a medicamentos que reduzem a ansiedade ou mesmo a antidepressivos, quando o problema está associado à depressão. A prática de uma atividade física ajuda – e muito –, já que serve como válvula de escape para a tensão. Durante o exercício são liberadas substâncias no organismo que proporcionam sensação de prazer. Em alguns casos, a psicoterapia também é recomendada.

Fonte: Einstein Saúde


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]