[the_ad_group id="16403"]
Medicamentos > Saúde

Reposição de testosterona: é ou não uma boa ideia?

Por Redação Doutíssima 22/05/2013

testosterona

Testosterona é um hormônio esteróide produzido pelas células de Leydig (homens), e ovários (mulheres) e quantidades menores são produzidas pelas glândulas adrenais e ambos os sexos. Algumas ações de testosterona no organismo são: crescimento do pênis, enlargamento da laringe (voz mais grave), formação de esperma, crescimento de pelos, aumento do libido, aumento dos glóbulos vermelhos e sanguíneos…

Com a idade os níveis de testosterona diminuem. A diminuição começa ao atingirmos a maturidade e prossegue à medida que envelhecemos, mas a velocidade de queda é variável. Alguns homens com mais de setenta anos mantêm níveis próximos aos dos jovens, enquanto outros já apresentam concentrações baixas aos quarenta.

As causadas por essas variações fisiológicas, devido as alterações físicas e comportamentais, levam à diminuição da massa óssea, da massa muscular e da força física, ao acúmulo de tecido adiposo, fadiga e tendência à depressão e à piora da função sexual.

Como esses distúrbios são indistinguíveis do próprio processo de envelhecimento, é razoável supor que possam ser corrigidos por meio da administração de testosterona, à semelhança da reposição de hormônios femininos na menopausa.

As dificuldades estão na inexistência de critérios bem definidos para caracterizar o hipogonadismo nessa faixa etária, na dúvida sobre a eficácia do tratamento e na possibilidade de efeitos indesejáveis, como o aumento do risco de câncer de próstata.

De uma lista inicial de 32 sintomas possivelmente associados à queda dos níveis de testosterona, apenas nove confirmaram guardar relação direta com ela: três deles ligados à sexualidade (frequência diminuída de ereções matinais espontâneas, de pensamentos eróticos e disfunção erétil), três sintomas físicos (dificuldade de praticar exercícios como correr ou levantar objetos pesados, incapacidade de andar mais de 1 km e de ajoelhar e levantar sem ajuda) e três sintomas “psicológicos” (falta de energia, fadiga e tristeza).

O o diagnóstico de hipogonadismo é sugerido, porém os mais velhos deve levar em conta não apenas os níveis diminuídos de testosterona total (abaixo de 3,2 ng/mL), mas também a presença dos três grupos de sintomas citados.

O  uso somente do critério clínico não é aconselhável,  porque mais de 25% dos participantes com queixas de dificuldades sexuais  apresentavam concentrações normais de testosterona, mostrando que a relação entre causa e efeito não é clara.

Um estudo organizado pela Universidade de Boston entre homens com limitações de mobilidade, que apresentavam níveis baixos de testosterona (abaixo de 3,5 ng/mL), com a finalidade de avaliar se a reposição hormonal seria capaz de aumentar a massa muscular e melhorar a movimentação.

Foi planejado incluir 252 homens com pelo menos 65 anos, com alta prevalência de doenças crônicas, portadores de restrições definidas, como a impossibilidade de andar mais de dois quarteirões planos ou subir dez degraus.

Os participantes foram divididos ao acaso em dois grupos: o primeiro recebeu aplicações transdérmicas diárias de um gel contendo testosterona; os demais aplicavam na pele um gel placebo.

No grupo tratado com testosterona houve aumento significativo da força muscular nas pernas, nos braços e na capacidade de subir escadas. Os níveis de hemoglobina aumentaram, bem como os das frações HDL e LDL (“bom” e “mau” colesterol, respectivamente), mas surgiram mais complicações cardíacas.

No grupo dos 106 homens tratados com testosterona, dez sofreram complicações cardíacas, contra apenas um do grupo-placebo. Essas  ocorrências fizeram o Comitê de Segurança interromper o estudo. Os eventos cardiológicos foram de intensidade variável e não obedeceram a um padrão definido. Como o número deles foi pequeno, não é possível excluir a possibilidade de que tenham ocorrido por acaso, uma vez que o grupo já sofria de doenças crônicas.

Esses resultados são surpreendentes. Vários trabalhos com números bem maiores de participantes não detectaram aumento do risco de doenças cardiovasculares associadas à reposição.

De acordo com pesquisas a administração de testosterona não devem ser abandonada em homens mais velhos com hipogonadismo, mas deve ser feita com cuidado, cuidado redobrado naqueles que sofrem de hipertensão, diabetes, doenças cardíacas e que apresentam limitações de mobilidade.

Fonte: Drauzio Varella Malhando Certo


[the_ad_group id="16349"]
[the_ad_group id="16404"]