[the_ad_group id="16401"]
Filhos

Confira dicas e aprenda como lidar com o refluxo do bebê

Por Redação Doutíssima 13/06/2013

O refluxo do bebê é capaz de ser algo preocupante para muitos novos pais. Caracterizado por um pequeno vômito, geralmente logo após a alimentação, ele se torna menos comum à medida em que a criança cresce. Em pequeno número de casos, o refluxo pode ser um sinal de um problema grave.

 

Como ocorre o refluxo

O refluxo ácido é o termo usado para descrever a volta para o esôfago ou a boca do conteúdo do estômago – no caso dos pequenos, alimento (leite) e ácido. A maioria dos bebês tem um grau de refluxo porque a válvula muscular no final do tubo de alimentação ainda não se desenvolveu adequadamente – é ela que atua para manter os alimentos no estômago.

 

Durante o primeiro ano da criança essa válvula muscular gradualmente fica mais forte e mantém o alimento, daí o porquê o refluxo tende a diminuir. De acordo com estatísticas de uma indústria de remédios, prescrições para medicamentos de refluxo em crianças aumentaram 137% nos últimos anos.

 

Um estudo publicado recentemente na revista Pediatrics alerta, porém, que muitos pequenos tratados para refluxo podem ter sido medicados desnecessariamente. De toda forma, esse é um problema real em bebês.

Em uma outra pesquisa publicada nessa mesma revista, cientistas sugerem que mais da metade dos pequenos que têm choro inconsolável pode estar sofrendo de doenças tratáveis, como é o caso do refluxo ácido.

 

É importante saber ainda que o refluxo ácido é diferente de simples vômitos. Nesse último caso os músculos do bebê se contraem com força e expelem o alimento, enquanto naquele há o retorno de parte de qualquer coisa que a criança tenha acabado de engolir.

bebe-doutissima-istock-getty-images

Um das medidas para evitar o refluxo é manter o bebê na posição vertical após mamar. Foto: iStock, Getty Images

 

Cuidados com o refluxo do bebê

Você pode ajudar a aliviar o refluxo, adaptando a forma como você carrega e alimenta o pequeno. Confira:

 

– Alimentá-lo com frequência e em pequenas quantidades ajudam a prevenir que o estômago fique muito cheio.

 

– Mantê-lo na posição vertical durante e no mínimo meia hora depois da alimentação pode reduzir o refluxo usando a gravidade para manter o leite no estômago.

 

– Evite roupas apertadas, especialmente em torno do estômago, para não pressionar o esfíncter esofágico inferior.

 

– Arrotos frequentes durante e após a alimentação podem evitar que o ar se acumule no estômago. Para fazê-lo arrotar, sente seu bebê na posição vertical apoiando a sua cabeça com a mão. Evite arrotos sobre seu ombro, o que coloca pressão sobre o abdômen.

 

– O leite materno é melhor para um bebê com refluxo porque é mais hipoalérgico e digerido duas vezes mais rápido do que a fórmula. Se a amamentação não é possível, converse com seu médico sobre qual a melhor fórmula para seu bebê. Muitas vezes uma mudança é capaz de aliviar e até mesmo acabar com o refluxo.

 

Caso o refluxo não melhore com essas dicas ou a criança apresente outros sintomas – não ganhar peso, vômitos, líquido verde ou amarelo, cuspa sangue ou algo que se pareça com borra de café, ou então recuse a alimentação – é importante verificar com seu médico se não se trata de outro problema.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]