[the_ad_group id="16403"]
Cirurgia Plástica

Cirurgia plástica nas coxas: saiba quando é indicada

Por Redação Doutíssima 07/07/2013

Alterações de peso decorrentes de fatores como o desequilíbrio na alimentação e a falta de exercícios físicos podem gerar consequências estéticas desagradáveis. A região das coxas femininas acaba sendo afetada por isso, especialmente com o avanço da idade e a perda de elasticidade da pele. Aí a cirurgia plástica entra como opção.

 

O cirurgião plástico Felipe Zampieri, da Clínica Jerez de Dermatologia (SP), aponta que as principais intervenções cirúrgicas nas coxas são a lipoaspiração e o lifting. “Ambas têm como objetivo a melhora do contorno corporal”, esclarece o especialista. Além disso, a associação dos dois procedimentos é comum.

cirurgia

Lipoaspiração e lifting.são alternativas para melhorar o contorno das coxas. Foto: iStock, Getty Images

 

Cirurgia nas coxas: quando fazer?

De acordo com Zampieri, o objetivo da lipoaspiração é remodelar uma área com depósito de gordura desproporcional. “Ela é realizada em pacientes com excesso de gordura localizada, geralmente na parte interna das coxas”, aponta.

“Já o lifting de coxa é indicado para pacientes com frouxidão de pele e excesso de gordura na região, que podem ser decorrentes da idade, da perda de peso, da força da gravidade e da perda da elasticidade da pele”, enfatiza o médico. Segundo ele, quando há necessidade, é possível fazer tanto a lipo, quanto o lifting.

Conforme indica Zampieri, o principal benefício desses procedimentos é a mudança no contorno corporal, o que proporciona um corpo mais harmônico. “A transformação, na maioria dos casos, é acompanhada de uma melhora na autoestima e, até mesmo, na higiene desses pacientes”, sublinha.

Mas antes de se submeter a qualquer procedimento, é necessário ponderar as possíveis complicações. “Abertura de pontos, sangramento e infecção são algumas delas, mas não são frequentes quando os cuidados pós-operatórios são adequados”, explana.

Intervenção nas coxas: cuidados

“O tamanho, a posição e a qualidade da cicatriz dependem da técnica cirúrgica utilizada e das características de cada paciente”, acrescenta o cirurgião. No dia seguinte ao procedimento, o paciente já é liberado para caminhar, mas sempre mantendo as coxas próximas para evitar problemas com a cicatriz.

Conforme explica o médico, após sete dias o paciente é liberado para o trabalho, desde que ele não exija grande esforço na região operada. “Orientações específicas são dadas pelo cirurgião plástico durante as consultas pós-operatórias”, aponta.

Para assegurar bons resultados após o procedimento cirúrgico, é indicado o uso de cintas elásticas compressivas para diminuir o inchaço e para sustentar os novos contornos, enquanto ocorre a cicatrização.

Zampieri destaca que há quatro contraindicações para técnicas cirúrgicas nas coxas:

1. Fumantes

“É proibido fumar pelo menos seis semanas antes e após a cirurgia. O tabagismo proporciona um risco aumentado de complicações, como problemas com a cicatrização dos tecidos”, evidencia.

2. Grandes variações de peso

Variações intensas de peso levam a alterações no resultado do procedimento, em caso de ganho ou perda de peso considerável. Neste caso, é indicado procurar orientação nutricional antes da cirurgia”, orienta.

3. Doenças ou medicações específicas

Algumas patologias ou medicações podem prejudicar a cicatrização e aumentar o risco de complicações”, salienta. Por isso, é importante consultar um cirurgião plástico com boa formação e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, antes de fazer qualquer intervenção.

4. Expectativa errada (ou exagerada)

“Antes da cirurgia, as expectativas do paciente precisam estar alinhadas com a possibilidade do resultado final”, conclui.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 


[the_ad_group id="16349"]
[the_ad_group id="16404"]