[the_ad_group id="16403"]
Sexualidade

Amor e Sexo : Conto erótico e motivante para matar a saudade

Por Redação Doutíssima 30/07/2013

Conto erótico e motivante para matar a saudade

Tudo o que ela sente a faz continuar. Amor, ambição, TESÃO e admiração  própria, essas são as chaves de uma auto confiança que pode começar com um conto erótico para dar uma motivada na sua imaginação. Os contos eróticos aparecem nos sonhos, no nosso inconsciente também. Segundo a psicologa Marisa Fortes, especialista em Medicina Comportamental e Terapias Cognitivo-Comportamentais pela Universidade de São Paulo, os sonhos são a expressão de tudo que absorvemos quando estamos acordados e que, de alguma maneira, nos marca, traumatiza ou nos emociona. Podem ser coisas importantes, impactantes ou não. A neurologia explica melhor o assunto de retenção de memoria. O que de fato nos interessa é a interpretação que a nossa mente faz dos sonhos e de que forma os fatos que se desencadeiam em nós.

Os sonhos e os contos eróticos podem desencadear características especificas em, por exemplo:

  • Determinadas impressões e  sentimentos. (angustia, felicidade, tesão, medo)
  • Atitudes diferenciadas. ( Hiperatividade ou vontades)
  • Aumento ou diminuição da libido (aumento ou diminuição da lubrificação)

Leia também: Como aumentar a lubrificação vaginal

 Exemplo de conto erótico feminino produzido e relatado após um sonho:

Artigo não indicado para menores de 18 anos

Fonte: Segredo feminino

“Certo dia sai de casa obedecendo a minha rotina diária de pegar aquele “busão” para ir ao trabalho, sendo que mais atrasada do que de costume, o que não me permitiu realizar o ritual matinal que é o de gozar enquanto tomo aquele banho, é isso mesmo eu preciso fazer isso pra relaxar e poder encarar o dia melhor. Para minha sorte o ônibus não demorou a passar, mas como estava atrasada não consegui lugar para sentar, e também não vi ninguém conhecido pra segurar minha pasta, ao passar da roleta encostei próximo a um rapaz meio sonolento, mas que ao ver-me se prontificou a segurar a minha pasta, como ele era um tanto atraente imaginei que iríamos conversar um pouco, mas que nada, ele começou a cochilar.

Leia mais em: Sexy toys

O ônibus começou a encher e logo me vi presa, quase caindo por cima do rapaz que segurava a minha pasta, que continuava a cochilar, pra minha sorte atrás de mim parou um homem de aproximadamente uns 35 anos, de expressão séria, e ele também estava bastante cheiroso (se tem algo que gosto é de homem cheiroso), e muito respeitador, pois dava pra perceber o esforço que ele fazia pra não encostar em mim, mas só que com o balançar do ônibus de vez em quando era inevitável o contato, passei a perceber que ele estava excitado, não fiz muita questão, pois ao olhar pelo reflexo do vidro, claramente dava pra ver que era algo involuntário, pois ele evitava até olhar pra mim, como se estivesse envergonhado pela situação, e aquilo me fez sentir bem, sentir-se desejada me deixa excitada, não faço o tipo mulherão, tenho 1,60m (sem salto, mas costumo sempre usá-los), peso 55 Kg bem distribuídos, seios médios, pernas grossas e um bumbum empinado, penso da seguinte forma, quem faz a mulher é a roupa que ela veste, e eu sei me vestir bem, estava com um vestido de malha, um pouco folgado, pois nesse dia estava fazendo calor.

Leia também: Dicas para um sexo quente 

O ônibus já estava completamente lotado, o homem atrás de mim já tinha encostado de vez em mim, e eu sentindo o seu pau duro em contato com a minha bunda, o que já tinha me deixado excitada ao ponto de ficar molhada e pra não cair por cima do dorminhoco, apoiei minha perna no encosto da cadeira dele, quando num certo momento ele caiu para o meu lado encostando o seu ombro exatamente entre as minha pernas, o que foi como levar um choque, pois eu já estava molhada sentindo a excitação do homem atrás de mim, não tive reação para me movimentar, até mesmo porque o ônibus estava muito cheio e não tinha praticamente como me mexer, na verdade o tesão tomou conta de mim, e resolvi aproveitar o momento, e sempre q o ônibus balançava e que eu sentia a pressão do pau por trás de mim, eu também fazia uma pressão no ombro daquele rapaz que cochilava, roçando minha buceta que já estava latejando, fazendo com que eu sentisse a minha calcinha entrando e dividindo-a, proporcionando uma maior sensação ao encostar no ombro do rapaz, e coincidentemente estávamos chegando ao fim da viagem, o que fazia com que as pessoas começassem a descer do ônibus, aumentando a freqüência de pessoas que ao passar empurravam aquele homem cheiroso que pressionava seu pau contra a minha bunda, ao mesmo tempo que eu me aproveitava do ombro daquele rapaz, num certo momento, quando o ônibus parou, e várias pessoas começaram a descer, e o motorista ameaçava sair com o ônibus, e ainda existia muitas pessoas ainda dentro do ônibus que iam descer, a coisa ficou um pouco fora de controle, o que gerou um grande empurra-empurra, e pessoas gritando “vai descer motorista”, comecei a ficar um pouco zonza de tanto tesão, pois parecia que o pau daquele homem ia rasgar a minha roupa de tão duro que estava e eu já estava com minhas pernas abertas sarrando no ombro daquele rapaz, daí eu me segurei na parte de baixo do ferro, no encosto da cadeira, sem querer acabei deixando minha mão na altura do pau de um outro homem que não consegui nem ver como era, mas que naquele empurra-empurra, encostou com seu pau na minha mão, onde mesmo não estando duro, consegui identificar que era uma pau bem gostoso, e aquilo foi demais pra mim, aquele homem cheiroso sarrando seu pau na minha bunda, eu sentindo o pau daquele outro homem roçando na minha mão, e eu com minha buceta toda molhada pressionando-a contra o ombro daquele rapaz, não consegui me segurar, e com apenas uns dois movimentos mais intensos consegui gozar, sentindo o gozo escorrendo pela minha coxa, logo em seguida o rapaz que dormia, se levanta assustado, gritando “vai descer”, eu fiquei ainda mais assustada, ele coloca a minha pasta no assento, e quando eu digo “obrigada”, ele olha nos meus olhos, da um sorriso muito safado e responde “não há de que”, eu evito encará-lo e trato de me sentar, pois estava com as pernas bambas da gozada que tinha dado, e quando levanto a cabeça imaginando ver o homem que estava por trás de mim, o ônibus já não estava tão cheio fazendo com que ele já não estivesse mais ali, só me restava descansar um pouco, pois faltavam poucas paradas pra descer, então fiquei curtindo a incrível sensação pós orgástica, e ao descer do ônibus estava de volta a minha querida rotina diária.” (Atora desconhecida)

O que achou?


[the_ad_group id="16349"]
[the_ad_group id="16404"]