[the_ad_group id="16401"]
Relacionamento

Violência contra mulher: relato de caso

Por Rafaela Monteiro 12/12/2013

images (1)

A Violência doméstica contra a mulher é uma violação dos direitos humanos. Se pensarmos no lugar ocupado pela mulher numa sociedade machista podemos pensar que sua inserção na sociedade e na família ainda ocorre de forma subordinada. Se pensarmos em não polarizar os papéis no lar e defini-los como vítimas e agressores, podemos olhar para as mulheres agredidas e quem sabe encontrar possibilidades de enfrentamento.

Ao ouvirmos o depoimento de algumas mulheres, quem sabe outras que estejam  na mesma situação se inspirem a também mudar suas vidas… denunciando e colocando fim a situação de violência.

 

Relato de alguns casos:

A. P. 50 anos, foi espancada pelo marido por quase 20 anos. Agressões físicas e verbais faziam parte de rotina da aposentada. Hoje ela não tem vergonha de admitir que foi vítima de violência doméstica. Mas até tomar a decisão de denunciar o companheiro à polícia, Alice teve que superar o constrangimento e a humilhação. 

Os abusos aconteciam na presença dos filhos e em locais públicos. Além disso, A. não tinha o apoio da família. Os parentes do marido eram a favor dele. Conta que as agressões começaram quando ela descobriu que o marido a traía. Depois disso, as humilhações tornaram-se constantes. 

Ela diz:

– Eu apanhava todos os dias. A agressão era física e psicológica. Ele me ameaçava o tempo todo. Se eu não parasse de gritar, ele me mataria. E ele tinha uma arma em casa. Teve um dia que ele me agarrou de bruços na cama, passou o braço pelo meu pescoço e se deitou sobre mim com toda a força, fiquei sem respirar e com a coluna quase fraturada. Fiquei com de marcas roxas pelo corpo inteiro. E o pior: meus filhos assistiam tudo o que ele fazia comigo – revela Alice ressaltando que o marido ficava mais violento depois que bebia.

 

Em outros relatos ouvimos:

– Ele é uma pessoa que fica valente quando bebe. O comportamento fica agressivo e autoritário. Sei que ele é um bom marido, mas a bebida destrói a vida dele e também a minha. Eu já tive que procurar a polícia porque ele estava tão bêbado e violento demais. Meu medo era que ele pegasse alguma faca – conta a dona-de-casa, de 31 anos.

 

O. R. 44 anos, conta que foi espancada por 12 anos pelo marido. Durante esse período, ele ainda tentou queimá-la enquanto dormia. O motivo foi o fato de ela ter se negado a ter relações sexuais com ele.

Geralmente ele é bom, responsável, carinhoso. Depois de alguns meses, ele explode. Muitas pessoas dizem que devo me separar. Eu também acho, porque trabalho, tenho meu dinheiro, mas não estou preparada . Eu o amo e preciso tentar pelo menos mais uma vez. Sua infância foi conturbada e sei que tem questões a resolver dentro de si. Acho que ele sofre de algum transtorno de personalidade e precisa ser tratado – completa ela.


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]