[the_ad_group id="16403"]
Saúde Mental

Como tratar os ataques de pânico em jovens

Por Redação Doutíssima 28/01/2014

O ataque de pânico é uma doença comum tratável. Crianças e adolescentes com ataques de pânico têm períodos inesperados e repetidos de medo ou desconforto intenso, juntamente com outros sintomas como palpitações cardíacas ou sensação de falta de ar. Esses períodos são chamados de “ataques de pânico” e pode durar de minutos até horas. Os ataques de pânico frequentemente se desenvolvem sem aviso prévio.

Sindrome-do-Panico-ok

Os sintomas de um ataque de pânico incluem:

  • Medo intenso ( a sensação de que algo terrível está acontecendo)
  • Corrida ou forte batimento cardíaco
  • Tonturas ou vertigens
  • Falta de ar ou sensação de ser sufocado
  • Tremor
  • Sensação de irrealidade
  • Medo de morrer, perder o controle ou perder a sua mente

Mais de 3 milhões de americanos vão experimentar o ataque de pânico durante sua vida. O transtorno geralmente começa durante a adolescência, embora também possa começar durante a infância, e às vezes ocorre em famílias.

Se não for reconhecido e tratado, a síndrome do pânico e suas complicações podem ser devastadoras. Os ataques de pânico podem interferir nas relações de uma criança ou adolescente, em trabalhos escolares e desenvolvimento normal. Os ataques podem levar a não apenas a ansiedade grave, mas também pode afetar outras partes do estado de espírito ou o funcionamento de uma criança. Crianças e adolescentes que sofrem do transtorno podem começar a sentir mais ansiosos do tempo , mesmo quando eles não estão tendo ataques de pânico. Alguns começam a evitar situações em que eles temem que um ataque pode ocorrer, ou situações onde a ajuda pode não estar disponível. Por exemplo, uma criança pode estar relutante em ir para a escola ou se separada de seus pais. Em casos graves, a criança ou adolescente pode estar com medo de sair de casa. Tal como acontece com outros transtornos de ansiedade, este padrão de evitar certos lugares ou situações é chamado de “agorafobia”.

Alguns adolescentes com transtorno do pânico pode desenvolver depressão grave e pode estar em risco de comportamento suicida. Como uma tentativa de diminuir a ansiedade, alguns adolescentes com transtorno do pânico pode recorrer ao álcool e drogas.

SINDRO1

O transtorno de pânico em crianças pode ser difícil de diagnosticar. Isso pode levar a muitas visitas aos médicos e vários exames médicos que são caros e potencialmente dolorosos. Quando devidamente avaliado e diagnosticado, o transtorno do pânico geralmente responde bem ao tratamento. Adolescentes com sintomas de ataques de pânico devem primeiro serem avaliados por seu médico de família ou pediatra. Se nenhuma outra doença física ou condição é encontrada como causa para os sintomas, uma avaliação completa por um psiquiatra de crianças e adolescentes deve ser obtida.

Vários tipos de tratamento são eficazes. Medicações específicas podem parar os ataques de pânico. A psicoterapia também pode ajudar o adolescente e a família aprender maneiras de reduzir o estresse ou conflitos que poderiam causar um ataque de pânico. Com as técnicas ensinadas em “terapia cognitiva-comportamental”, a criança pode também aprender novas maneiras de controlar a ansiedade ou os ataques quando eles ocorrem.

Muitas crianças e adolescentes com transtorno de pânico respondem bem à combinação de medicamentos e psicoterapia. Com o tratamento, os ataques geralmente podem ser interrompidos. O tratamento precoce pode evitar as complicações da síndrome, como agorafobia, depressão e abuso de substâncias.

 


[the_ad_group id="16349"]
[the_ad_group id="16404"]