[the_ad_group id="16401"]
Sintomas de Gravidez

Desvende a gravidez e seus sintomas: veja semana a semana

Por Redação Doutíssima 29/01/2014

Durante a gestação o acompanhamento pré-natal é muito importante. Isso porque é nas consultas que o médico irá monitorar a gravidez e seus sintomas e verificar se está tudo conforme o esperado.

Para não ficar angustiada nos períodos entre as visitas ao médico quando algum pequeno sinal aparece, confira abaixo o que pode acontecer semana a semana com seu organismo ao longo da gestação. 

a gravidez e seus sintomas istock getty images doutíssima

Acompanhamento pré-natal é muito importante para a saúde da mamãe e do bebê. Foto: iStock, Getty Images

A gravidez e seus sintomas: veja semana a semana

– 1ª a 4ª: o principal sinal de gravidez é a não menstruação. Fadiga, náuseas, urinação frequentemente e alterações de humor costumam ser sintomas comuns. Vale dizer que nem todas mulheres os apresentam de forma conjunta – se você tiver um deles, já é possível ficar alerta.

– 5ª a 8ª: os sintomas da gravidez começam a ficar mais evidentes. É possível que comecem dores nos seios, azia, náuseas e urinação seguida. Como o corpo da mulher produz mais sangue durante a gestação, não é raro sentir que o coração bata um pouco mais aceleradamente.

– 9ª a 12ª: seguem os sinais das semanas anteriores, que às vezes tornam-se mais intensos. Os seios seguem crescendo e mudando – aréola maior e um pouco mais escura, por exemplo. Quem têm tendência à acne pode experimentar surtos.

– 13ª a 16ª: diminuem a maior parte dos sintomas iniciais, mas problemas como náuseas e constipação podem ser bem intensos. Os seios continuam a se desenvolver à espera do bebê e os reflexos da maior circulação sanguínea costumam ser bastante notáveis nessa fase: sangramento nas gengivas e no nariz, tonturas ou desmaios, por exemplo.

– 17ª a 20ª: é possível começar a sentir os movimentos do feto. Persistem os sintomas das semanas anteriores.

– 21ª a 24ª: seguem os sintomas das semanas anteriores e talvez apareça um pouco de falta de ar. Os seios podem começar a produzir colostro. É possível a ocorrência de algumas contrações, mas em princípio isso não é motivo para pânico – caso elas sejam frequentes ou muito dolorosas, aí sim procure ajuda médica.

– 25ª a 28ª: é comum aparecer um pouco de dor nas costas. Os sintomas dos meses anteriores continuam, mas é possível que as tonturas diminuam.

– 29ª a 32ª: com o crescimento do útero muitas mulheres apresentam dificuldades para respirar e se sentem um pouco mais cansadas. É possível que apareçam estrias nos locais em que a pele se expande. Muitas vezes ocorre de a mamãe urinar um pouco quando espirra ou ri – é que o útero pressiona a bexiga.

– 34ª a 36ª: os sintomas anteriores continuam, mas aqui alguns fetos se mexem para a parte inferior do útero. Isso muitas vezes alivia a constipação e a azia muito comuns na gravidez.

– 37ª a 40ª: ao final da gravidez os sintomas variam conforme a posição do bebê. Nessa fase o colo do útero começa a se dilatar para o parto – é possível que isso ocorra algumas semanas antes ou até mesmo quando você entrar em trabalho de parto. É comum sentir dores agudas na vagina durante esse processo.

Importância do cuidado pré-natal

Assim que a gravidez e seus sintomas aparecerem, é importante buscar auxílio médico para o acompanhamento da gestação. É que o pré-natal é fundamental tanto para a saúde do bebê quanto para a da mamãe.

De acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, as mulheres que recebem atendimento pré-natal tardio têm maiores chances de ter bebês com problemas de saúde. Aquelas que não recebem qualquer atendimento nessa fase possuem três vezes mais chances de ter bebês abaixo do peso e cinco vezes mais riscos de vê-lo morrer.


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]