[the_ad_group id="16401"]
Clínica Geral

Doença do beijo: saiba o que fazer para evitar a mononucleose infecciosa

Por Redação Doutíssima 18/03/2014

mononucleoseA mononucleose é uma doença comum e geralmente benigna provocada pelo vírus Epstein-Barr. A doença é muitas vezes designada como a “doença do beijo”, pois é transmitida pela saliva. A mononucleose pode aparecer em qualquer idade da vida, mas a infância e a adolescência são períodos particularmente em risco. Quando ocorre antes da puberdade, a mononucleose passa despercebida na maioria dos casos. Na adolescência, a doença pode levar a complicações mais graves.

 

Causas da mononucleose

O vírus que provoca a mononucleose é da família da herpes. O vírus Epstein-Barr é um vírus comum (quase 90% dos adultos são portadores do vírus). Os vírus da família da herpes (entre os quais encontramos o vírus responsável pela herpes genital ou oral, varicela e herpes zóster) são reconhecidos e combatidos pelo organismo. Eles são considerados pouco perigosos. A mononucleose aparece apenas uma vez na vida depois da primeira infecção. Durante a doença, o corpo vai “aprender” a combater o vírus e ele permanecerá inativo até o fim da vida.

 

Sintomas

A intensidade dos sintomas varia consideravelmente de um indivíduo a outro. A idade é um fator determinante da gravidade da doença: se a mononucleose em crianças passa, geralmente, despercebida, em adolescentes e adultos ela pode se manifestar através de um cansaço intenso e complicações mais sérias.
Entre os sintomas, estão:

  • Cansaço
  • Dor de garganta
  • Glândulas inchadas
  • Inchaço do baço

 

Diagnóstico e tratamento

mononucleoseO diagnóstico da mononucleose é realizado pelo clínico geral e confirmada, se necessário, por outros exames complementares. Nenhum tratamento particular é prescrito para esta doença viral que evolui, geralmente, em direção à cura. A paralisação do trabalho pode ser necessária em caso de febre ou fadiga intensas.

Para identificar a mononucleose, o médico procura a presença de um nódulo linfático no pescoço. Ele sente seu abdômen para ver se ocorreu um inchaço do baço e/ou o fígado mudou de volume.

Para confirmar a mononucleose, o médico pode pedir um exame de sangue para:
Destacar o aumento do número de glóbulos brancos, característica da doença
Confirmar um contato recente com o vírus por uma procura de anticorpos

Finalmente, se for confirmado que o paciente foi infectado, análises sanguíneas suplementares podem ser necessários para avaliar os efeitos sobre o fígado.

Não existe tratamento específico para essa condição. Como ela é de origem viral, os antibióticos são inúteis.

Analgésicos e antitérmicos (paracetamol, ibuprofeno) podem ser prescritos para limitar a febre e aliviar a dor associada com a mononucleose.

Em caso de complicações, uma hospitalização pode ser decidida pelo médico, mas é excepcional.

 

O especialista em Infectologia explica o que é a mononucleose. Confira!

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!

 

Saiba mais:

Saiba tudo sobre Herpes: uma ferida que “nunca” se cura

Tudo o que você precisa saber sobre Herpes

Herpes Zóster: sintomas e tratamento

Catapora: sintomas e tratamento

Como aliviar a coceira da catapora

Será que o beijo transmite doenças?

Sífilis secundária em boca – uma doença que ressurge


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]