A palavra dieta é utilizada erroneamente para nomear mudanças na alimentação que buscam o emagrecimento. Mas, na verdade, dieta é o termo que denomina os hábitos alimentares de cada pessoa, sejam eles saudáveis ou não, para emagrecer ou engordar.  

reeducação alimentar é a expressão que indica uma profunda mudança na maneira como você come. Aqui o objetivo é melhorar a qualidade da dieta e oferecer mais saúde e qualidade de vida.

dieta-doutissima-iStock getty images
A reeducação alimentar promete resultados duradouros. Foto: iStock, Getty Images

Vantagens de uma dieta baseada na reeducação

Diferente das chamadas dietas restritivas, em que você corta um grande número de alimentos em pouco tempo, a reeducação alimentar prega uma mudança gradual, em que o corpo consegue acompanhar a nova realidade.

“A tendência é que as modificações se tornem definitivas, mas respeitando as particularidades e cultura de cada um. É o jeito de evitar o efeito sanfona”, diz a nutricionista Alice Bayer Monteiro.

Ao estabelecer a comparação, ela esclarece que uma reeducação alimentar normalmente é mais fácil de ser cumprida do que uma dieta de redução de peso. Se a meta é o emagrecimento, não há preocupação com a qualidade da dieta e da vida em longo prazo.

Além disso, dietas muito restritivas em calorias podem trazer prejuízo à saúde, pois nem sempre conseguem atingir as necessidades básicas de vitaminas, minerais e fibras. A longo prazo, o resultado é negativo.

“A carência desses nutrientes gera sintomas desconfortáveis e patologias, como irritação, enfraquecimento da pele, cabelo e unhas, dor e fraqueza muscular, cegueira noturna, alterações no funcionamento da tireoide, anemia, alterações intestinais, renais e cardíacas, e até paralisia”, cita Alice.

Quando o objetivo é emagrecimento, o melhor é aprender a mudar hábitos, em que tudo acontece de acordo com o seu tempo, sem a necessidade de perder um número quase absurdo de quilos em uma ou duas semanas.

Como fazer a reeducação alimentar

A maior preocupação da reeducação alimentar é com a qualidade da dieta. Alice indica que é preciso ingerir todos os grupos alimentares: carboidratos, proteínas e gorduras. Sendo assim, capriche na ingestão de vegetais, legumes, frutas e água.

Quando o objetivo contiver o fator emagrecimento, cuide para se alimentar com a quantidade adequada de calorias, sem restrições severas. E pratique exercícios físicos – ideal é ter acompanhamento de um profissional.

 “Em diversos casos é preciso avaliar patologias, funcionamento intestinal, dificuldade de digestão de alguns nutrientes. E entram também as variáveis de objetivo, se é redução ou ganho de peso, ganho de massa muscular, fortalecimento de cabelos e unhas, cuidados preventivos com envelhecimento precoce, desempenho esportivo”, destaca.

Não sabe por onde começar? Descubra uma série de alimentos que podem oferecer tudo o que o seu corpo precisa, mas sem exageros:

Sempre presentes: vegetais, legumes, frutas e água

Carboidratos: arroz integral, pão integral, aveia, linhaça, chia, quinoa e granola sem açúcar

– Proteínas: devem ser sempre magras. Três vezes na semana carne vermelha e demais peito de frango, ovos e peixe.

– Gorduras: azeite de oliva extra virgem, oleaginosas (castanhas, nozes, amêndoas), abacate. Reduzir óleos vegetais como soja, milho e canola. Para o preparo da comida. prefira óleo de coco ou manteiga.

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!