[the_ad_group id="16401"]
Dieta

Quer começar a malhar? Comece NÃO indo.

Por Dr. Adolfo Duarte 02/04/2014

começar a malhar

Pois é, pessoal. Mais uma vez vamos trabalhar aqui com conceitos que parecem estranhos e, até mesmo, inadequados. Parece maluquice mesmo, mas é real.

Pense na situação: você SABE QUE É IMPORTANTE fazer exercícios físicos, que isso é FUNDAMENTAL PARA UMA SAÚDE PLENA, mas não consegue inserir uma rotina com os mesmos no seu dia-a-dia por vários motivos, que variam entre:

– Não tenho tempo;

– Tô sem grana pra paga a academia;

– Minha coluna tem doído muito;

– Tô sem cabeça pra malhar;

– Não tenho energia pra fazer exercícios;

– Tô sem nenhuma motivação;

– E derivados, similares, paralelos ou perpendiculares textos.
A coisa mais imediata a acontecer quando você se coloca de alguma dessas formas é aparecer um(a) sabidão(ona) pra dizer: “Que nada! Isso é preguiça! TEM QUE malhar! Vamulá! Eu acordo 3:30 da manhã pra dar minha corridinha de 30Km todos os dias, inclusive domingo! Colé?!”

Irrita, né?

Irrita muito ou não?

Irrita MUITO MESMO, não é verdade?

Sabe o que acontece? Lembra os motivos que eu coloquei lá em cima e imagina os derivados deles? Pois é. Todos podem ser verdade mesmo ou, simplesmente, esconderijo pra preguiça. Se for o segundo caso, a fala irritante lá em cima, infelizmente, por mais que tenha umas “mentirinhas” inseridas, está correta. Você tá fazendo corpo mole. Toma jeito e levanta essa cabeça senão essa bunda vai bater no chão e a barriga na parede!

Só que tem a primeira opção e nós temos a infeliz mania de desconsiderá-la.

É verdade. Aqueles motivos lá em cima PODEM SIM ser francos. Pode ser tudo verdade, e é aí que eu quero que você concentre seu pensamento. Perceba que, antes mesmo daquele infeliz falar aquela frase mentirosa lá em cima, VOCÊ MESMO(A) JÁ VINHA SE RECRIMINANDO PELO FATO DE NÃO ESTAR MALHANDO. Masoquismo miserável! Quem já ficava se dizendo que era, na verdade, tudo preguiça, era você mesmo(a)!

Para com isso, criatura!

Observe sua justificativa e faça uma análise. Se você trabalha 12 horas por dia, tem família, come, dorme, faz cocô, transa, conversa, leva o cachorro pra fazer o cocô dele, e por aí vai, considerando que você vive na Terra e que o dia ainda tem 24 horas, QUE HORAS VOCÊ VAI MALHAR, PELAMORDEDEUS?! Você REALMENTE TÁ SEM TEMPO. NÃO VÁ! Observe que isso não é preguiça, mas simples matemática. Acredite que não tá dando tempo e se planeje para conseguir reduzir essa carga de trabalho em, pelo menos, 1 hora, pra encaixar os exercícios. Enquanto você não for coerente com sua realidade não vai conseguir encontrar os verdadeiros meios de mudá-la.

 

Quero começar a malhar!

Enquanto não consegue fazer isso, RELAXE, fique atento(a) à sua alimentação e planeje seus movimentos para mudar essa situação QUANDO FOR POSSÍVEL, ADEQUADO. Se você simplesmente forçar a barra, nessa idéia de “correr atrás do prejuízo”, tende a acabar “quebrando”. Compreenda seus processos de vida, trabalho… seu dia-a-dia. Só assim poderá se planejar e iniciar um programa de exercícios regular e produtivo.

Ou seja, para conseguir IR, você tem que, primeiro, conseguir NÃO IR de forma coerente, sem recriminação e auto-julgamentos pejorativos e improdutivos. Se avalie com franqueza e encontre seus caminhos. Você VAI começar a malhar, mas pode ser que não seja agora… AINDA.

Vamos resolver isso?

Conseguiu NÃO IR numa boa, sem bobagem? Então beleza. Vamos começar a planejar seu “retorno das cinzas”.

Antes de tudo, passe por uma avaliação médica e fisioterapêutica. Veja se está em condições de executar exercícios físicos e, se houverem limitações, peça aos profissionais para documentá-las de forma que outros profissionais possam compreender seu caso de forma prática.
Agora procure definir que atividade física te interessa. Ninguém disse que você precisa começar entrando direto em uma sala de musculação! Do que é que você gosta? Quer dançar, jogar basquete ou nadar? Procure locais onde possa realizar estas atividades de forma organizada, com um profissional de Educação Física te acompanhando como professor ou Personal Trainer e converse com ele para definir claramente seus objetivos. Converse de forma aberta e deixe claros seus anseios com relação à funcionalidade do seu corpo (saudade de amarrar um sapato, né?), à estética (essa gravidade num vale nada!) ou, até mesmo, a metas esportivas e de competição. Comecem a planejar seu treinamento.

Vamos procurar o profissional Nutricionista agora para definir um planejamento alimentar. Isso vai te capacitar muito mais para o exercício e favorecer seu esforço para alcançar seus objetivos. Emagrecer, engordar ou, apenas, ter uma alimentação mais saudável. Este é o profissional certo para você consultar.

É por aí. Considerando que você partiu de uma justificativa verdadeira para não malhar, conseguindo fazer isso sem traumas e, posteriormente, se lançou no esforço para conseguir se organizar, o caminho é esse.

Se você perceber que sua justificativa é vazia, aí a situação é outra. Dê uma olhadinha no post Exercícios e Motivação pra ver se te ajuda.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!

 

Saiba mais:

Na hora de malhar não dá para errar: conheça os 6 principais erros na academia

Alimentação pré-treino: atleta explica o que comer antes de malhar

Malhar as costas em casa: exercícios para fortalecer a região lombar sem academia

Aprenda a malhar com a Kettlebell

Os 6 piores erros na hora de malhar

7 Dicas para vencer a preguiça de malhar no frio

Resoluções de ano novo: como conseguir cumprir a promessa de malhar esse ano


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]