[the_ad_group id="16401"]
Clínica Geral

Conheça os sintomas de estrabismo na infância

Por Redação Doutíssima 13/04/2014

É normal que os olhos de um recém-nascido se cruzem ocasionalmente durante os primeiros meses de vida., mas isso tende a sumir por volta dos quatro a seis meses de idade. Quando a característica permanece, porém, pode indicar um dos sintomas de estrabismo.

Detectado desde cedo, é possível corrigir o problema através de uma variedade de tratamentos seguros e eficazes.

Conhecendo os sintomas de estrabismo

Estrabismo é o desalinhamento de um ou ambos os olhos, quer seja para dentro (esotropia), quer seja para fora (exotropia). Pode ser algo constante ou eventual – nesse último caso os pais observam quando a criança está cansada, por exemplo. É capaz de estar presente já no nascimento ou se desenvolver na infância.

Para a maioria dos casos, a causa é desconhecida, embora crianças com histórico familiar tenham risco aumentado. Normalmente, é diagnosticado entre o primeiro e quarto anos de idade e mais raramente depois dos seis.

Caso você suspeite de sinais do problema, é importante consultar um médico imediatamente. Ele ocorre quando os numerosos músculos ao redor dos olhos não funcionam em conjunto – alguns são mais fracos do que outros.

Recebendo uma mensagem visual diferente de cada olho, o cérebro então ignora aquela do olho mais fraco. O tratamento é importante, já que em casos extremos é possível a perda da visão.

Nada impede ainda que o estrabismo apareça mais tarde na vida. Nesses casos, ele geralmente é desencadeado por distúrbios físicos, como tumor cerebral ou lesão ocular. As pessoas com problemas cerebrais ou do sistema nervoso, como paralisia cerebral, são mais propensas a desenvolvê-lo.

Os sintomas normalmente incluem visão dupla ou com imagens instáveis, fadiga ocular, dor de cabeça e consciência de que um olho está se movendo. Mais importante, é possível a ocorrência de sensações desagradáveis, dado o notável sinal físico – como introspecção em razão da própria imagem ou tratamento diferenciado recebido.

estrabismo

O estrabismo pode ser percebido desde cedo. Foto: iStock, Getty Images

Quais são as opções de tratamento?

O tratamento para o estrabismo depende da causa subjacente e da gravidade do desalinhamento do olho. Geralmente, a correção ocorre através do uso de óculos ou da realização de cirurgia no músculo do olho.

A utilização de tapa-olho também pode ser útil. Ele pode fortalecer a visão no olho mais fraco, o que muitas vezes ajuda a robustecer os músculos que destoam dos demais e resulta em alinhamento adequado. As crianças costumam ser instruídas a usá-los por duas a três horas diárias, por meses ou anos, conforme a gravidade.

Paralelamente, ainda é feita a terapia de visão. Trata-se de um programa com atividades visuais prescritas para melhorar a coordenação do olho e habilidades de foco. Em resumo, treinam-se olhos e cérebro para que trabalhem em conjunto.

Além disso, há a possibilidade de cirurgia. Ela envolve soltar ou apertar os músculos que causam o olho vago. Embora seja uma medida invasiva, esse procedimento é considerado seguro e eficaz.

Segundo um estudo recentemente publicado no British Journal of Ophtalmology, a correção cirúrgica do estrabismo em adultos é capaz de melhorar os níveis de ansiedade social e deficiência, bem como sua qualidade de vida.

E aí, o que achou das dicas? Deixe um comentário! E não esqueça de compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]