Gestante

Cordão umbilical: saiba tudo sobre ele

Por Redação Doutíssima 17/07/2014

O cordão umbilical é um elo que liga o embrião à placenta e que possui uma grande importância para o desenvolvimento do feto. Sem ele, o embrião não teria condições de sobreviver, já que ele é o responsável principalmente por levar nutrientes ao futuro bebê.

Saiba mais sobre o cordão umbilical

Você quer saber um pouco mais sobre o cordão e o porquê ele é tão importante? Abaixo separamos algumas respostas para os seus questionamentos.

cordão umbilical

Cordão umbilical tem três canais que garantem a comunicação do feto com a mãe. Foto: Shutterstock

Quando o cordão umbilical começa a se desenvolver?

Ele acompanha o feto ao longo de toda a gravidez. Isso significa que, já na primeira semana, ele começa a se desenvolver, conectando o embrião (por meio de uma abertura no estômago, que depois virá o nosso umbigo) e a placenta da mãe. O tamanho é bem variado, mas, em média, ele tem 2 centímetros de diâmetro e 50 centímetros de comprimento.

Qual a função do cordão umbilical ao longo da gestação?

Existem três canais que garantem a comunicação do feto com a mãe. Há uma veia, que transporta o sangue da placenta até o feto e é esse sangue que garante a respiração do feto – na barriga da mãe, o embrião ainda não respira.

Existem duas artérias no cordão que devolvem o sangue “não utilizado” novamente à placenta materna. Resumindo: a placenta funciona como se fosse os pulmões do feto, e o cordão é o responsável por levar o oxigênio que garante a sobrevivência dele dentro do ventre materno.

Existem complicações com o cordão umbilical?

Existem e, como ele é fundamental para o desenvolvimento e a sobrevivência do feto, essas complicações são bem graves. O grande problema é que elas não apresentam grandes sintomas, daí a necessidade de acompanhamento médico ao longo do processo de gestação.

Conheça algumas das complicações que podem acontecer com o cordão antes, durante e depois da gestação:

– Cordão nucal: esse problema com o cordão umbilical ocorre quando ele enrola-se no pescoço do feto, podendo sufocá-lo.

– Inserção velamentosa do cordão umbilical: aqui, há problema na ligação do cordão à placenta (ele pode se prender a locais que não deveria), e isso ocasiona um déficit de nutrição ao bebê.

– Artéria umbilical única: como vimos acima, o cordão umbilical é composto de duas artérias. Quando ele se forma com uma única artéria, há uma gravidez de alto risco, bem como a possibilidade de problemas de formação do feto. Esses problemas de formação podem ser descartados com exames específicos, mas o bebê poderá nascer subnutrido.

– Prolapso do cordão umbilical: acontece quando ele se rompe e sai antes do bebê. Aí deverá ser feito um parto de emergência, já que haverá interrupção do fluxo de sangue que o bebê necessita para respirar.

Cuidados após o corte do cordão umbilical

Quando o bebê nasce, o cordão umbilical é cortado. Aí, ele se vê “obrigado” a respirar, em razão da falta de oxigênio. Mesmo assim, quando há o corte do cordão, uma pequena parte ainda permanece, e com ela devemos ter alguns cuidados:

– Lave bem as mãos antes de mexer no umbigo do bebê;

– Mantenha essa região bem seca e limpa, higienizando-a adequadamente;

– Não deixe que haja contato com fezes ou urina.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


Sites parceiros