[the_ad_group id="16401"]
Clínica Geral

Entenda o que causa a fibrose cística e como a criança pode ser tratada

Por Redação Doutíssima 07/08/2014

A fibrose cística é uma doença hereditária que se caracteriza pelo acúmulo de secreção no pulmão e no pâncreas. Ela passa de pai para filho e, sem os cuidados necessários, pode atrapalhar a vida do paciente.

fibrose-cística

Detecção precoce é aliada da qualidade de vida do portador de fibrose cística. Foto: Shutterstock

Como a fibrose cística se manifesta

A patologia tem sua manifestação de forma principal por meio de sintomas respiratórios, gastrointestinais e pela quantidade excessiva de cloro no suor. Além disso, propicia a produção de secreções que causam a obstrução dos pulmões e do pâncreas.

Essa obstrução gera insuficiência do pâncreas, o que dificulta o processo de digestão de gorduras e proteínas, fazendo com que o paciente fique desnutrido por não conseguir absorver esses nutrientes de forma adequada.

Por isso, faz-se tão importante a detecção prévia da fibrose cística para que o tratamento seja feito o quanto antes e, consequentemente, haja um aumento na taxa de sobrevida. A detecção prévia da doença pode ser feita por meio do teste do pezinho já no nascimento do bebê.

Outros sintomas

Também no período recente ao nascimento, é possível perceber o entupimento do intestino do bebê – característica da fibrose cística – por meio de sintomas, como a dificuldade para o ganho de peso da criança, bem como desidratação sem motivo aparente e tosses com secreção.

Com o passar dos anos, o paciente pode apresentar perda de peso, desnutrição progressiva, tosse crônica com muita secreção, sinusite crônica, doença hepática (cirrose biliar), diabetes, infecções respiratórias e infertilidade.

Podem ainda ser consideradas as principais complicações dos portadores da doença o sangramento pulmonar, infecções graves, pneumotórax (vazamento de ar do pulmão) e obstrução intestinal.

Tratamento da fibrose cística

O tratamento da fibrose cística é multidisciplinar, pois envolve vários profissionais da área da saúde e o foco principal desse processo está na nutrição adequada da criança portadora da doença.

Para isso são recomendadas as dietas hipercalóricas, cuja finalidade é a reposição das enzimas pancreáticas que auxiliam o paciente a não ser acometido pela desnutrição, principal causa da piora da doença pulmonar. Quanto mais desnutrido estiver o paciente, pior para o pulmão.

Para melhorar o trato respiratório, são realizados tratamentos para fluidificar as secreções, com uso de nebulizações e fisioterapia respiratória, que ajuda a expelir a secreção, e o uso de antibióticos inalatórios.

A fibrose cística não tem cura, porém, a detecção precoce da doença e o tratamento adequado podem servir para diminuir a velocidade de evolução da doença. Conforme a doença pulmonar evolui e o paciente apresenta dilatação dos brônquios, acúmulo de secreção, insuficiência respiratória crônica e limitação das atividades diárias (em casos muito avançados), o transplante de pulmão é a melhor opção e possui resultados satisfatórios.

Com os tratamentos atuais, os pacientes possuem expectativa de vida mais longa. Eles podem ter uma vida normal desde que realizem o tratamento adequado. Porém com o passar dos anos, a doença pulmonar piora e a pessoa pode ficar incapacitada.

Em países de primeiro mundo, a sobrevida média é de 40 anos, daí a importância do diagnóstico precoce. Quanto mais cedo descobrir a doença, melhor a qualidade de vida e maior o tempo de sobrevivência do paciente.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]