[the_ad_group id="16401"]
Especialidades

Demência senil: confira causas e consequências da perda da função cerebral

Por Redação Doutíssima 22/08/2014

Demência senil é a perda, total ou parcial, das funções intelectuais como alteração de memória, raciocínio e linguagem, incapacidade de realizar movimentos e de reconhecer ou identificar objetos e pessoas do convívio social, entre outros problemas. A doença é irreversível e atinge pessoas a partir dos 65 anos de idade. Todos os sintomas acabam prejudicando o indivíduo em suas atividades sociais e profissionais.

 

Tire suas dúvidas e compartilhe experiências no nosso espaço Saúde em nosso fórum de discussões.

 

A perda de memória, principal consequência da doença, faz com que o idoso se torne cada vez mais incapaz de entender o que se passa ao seu redor. Este fator ajuda a torná-lo mais ansioso e agressivo. Os indivíduos que possuem demência senil perdem-se facilmente e passam por grandes constrangimentos, podendo não reconhecer pessoas bem próximas como familiares e amigos.

demência-senil

Demência senil é irreversível e atinge pessoas a partir dos 65 anos de idade. Foto: Shutterstock

Possíveis causas da demência senil

A demência senil pode ser causada por outras doenças como Alzheimer. Neste caso, possui um início lento, com perdas de memórias frequentes, necessitando da supervisão de outro adulto. A doença também pode ter origem vascular, ocorrendo após múltiplos infartos cerebrais, geralmente acompanhados de pressão alta e derrames. Além disto, ela pode ter outras origens, como a Síndrome de Korsakoff, a doença de Creutzfeldt-Jacob, a doença de Pick, Parkinson e tumores cerebrais.

Principais sintomas da doença

A demência senil pode apresentar sintomas variados. Eles dependem muito da causa da doença e podem demorar anos para se manifestar. Os sintomas mais comuns são:

– Perda da memória, confusão e desorientação;

– Dificuldade em compreender comunicação escrita ou verbal;

– Dificuldade em tomar decisões;

– Dificuldade em encontrar as palavras;

– Dificuldade em reconhecer familiares e amigos;

– Esquecimento de fatos comuns como dia da semana;

– Alteração da personalidade e do senso crítico;

Depressão, ansiedade, insônia, desconfiança, delírios e alucinações;

– Agitação e caminhadas durante a noite;

– Falta de apetite, perda de peso, incontinência urinária e fecal;

– Dificuldade em dirigir;

– Passa a ser comum se perder em ambientes conhecidos;

– Movimentos e fala repetitiva;

– Dificuldade em cozinhar e nos cuidados pessoais; e

– Dependência progressiva.

Diagnóstico e tratamento para a demência senil

Procure um profissional assim que perceber os sintomas. A doença pode ser diagnosticada por meio de exames como hemograma, teste de função renal, hepática e tireoidiana, dosagem de vitamina B12 e ácido fólico, glicemia de jejum, tomografia computadorizada do crânio ou ressonância magnética.

Além de exames físicos, o médico deve realizar testes para avaliar o estado mental, avaliação do grau de atenção e concentração e das habilidades em resolver problemas, nível de comunicação, entre outros.

O tratamento inclui medicamentos na fase inicial, como inibidores da acetilcolinesterase, antidepressivos, estabilizadores de humor ou neurolépticos. Profissionais também indicam tratamentos de fisioterapia e terapia ocupacional, assim como a realização de orientação adequada da família e cuidadores.

Atualmente, o mais indicado é manter o portador de demência senil num meio que lhe seja favorável e familiar, fazendo com que ele se mantenha ativo, participando o máximo possível nas atividades diárias e de comunicação, a fim de preservar as capacidades do indivíduo.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]