[the_ad_group id="16401"]
Psicologia

Como tratar e quais são as causas do transtorno dismórfico corporal

Por Redação Doutíssima 23/12/2014

O transtorno dismórfico corporal – TDC é considerado um transtorno psiquiátrico já que o indivíduo sofre de um tipo de ansiedade social elevada por medo de análise, críticas ou comentários de outras pessoas sobre sua aparência.

 

Transtorno dismórfico corporal, eterna insatisfação

Na verdade, a pessoa tem uma imagem distorcida de si própria e acredita que as outras pessoasao rejeitam por isto. O transtorno dismórfico corporal pode chegar a causar isolamento social, falta de habilidade em lidar com outras pessoas e muito comumente, mudanças grandes e constantes na aparência sem nunca sentir-se satisfeito.

 

transtorno dismórfico corporal

Considerado uma alteração psiquiátrica, este transtorno requer tratamento intenso. Foto: iStock, Getty Images

O transtorno dismórfico corporal é uma atualização do termo “dismorfofobia”, utilizado há mais de 100 anos. Ou seja, este sentimento de feiura que afeta muitas pessoas não é uma novidade, ele afeta a humanidade há muito mais tempo do que se imagina.

 

A pessoa  com este problema acredita que sofre de algum defeito físico, especialmente na face e acaba por desenvolver uma neurose compulsiva.

A vergonha que o indivíduo que sofre do transtorno dismórfico corporal tem é tão grande em relação ao seu corpo e rosto, que ele passa a ter certa repulsão por qualquer pessoa que ele ache que se enquadre neste perfil “feio”, incluindo a si mesmo.

 

Ele não se aceita e tem reservas em relação a outras pessoas. De forma muito frequente, pessoas que sofrem deste transtorno acabam criando uma hipocondria da beleza, investindo todo o seu tempo e dinheiro em mudanças físicas e estéticas. Isto inclui inúmeras plásticas e procedimentos, inclusive os invasivos.

 

Transtorno dismórfico corporal, sofrimento sem fim

As ideias obsessivas que o doente do TDC tem acabam o levando a um sofrimento que nunca acaba, pois após cada procedimento, ele vai entender que ainda não é o suficiente, vai se frustrar e já ficará planejando o que pode fazer em outro procedimento e assim por diante.

 

E enquanto não conseguir a sonhada correção, sofrerá com sua aparência. Quando conseguir fazer, o processo volta a se repetir… Muitas pessoas, mesmo com boas condições financeiras, acabam indo à falência, porque nem todo o dinheiro investido parece ser capaz de curar esta “feiura” que eles imaginam ter.

 

Este problema atinge pessoas de diferentes classes sociais e idades. Quantos famosos fizeram tantos procedimentos com a intenção da beleza perfeita ou eterna que ficaram completamente descaracterizados?

 

O transtorno dismórfico corporal exige tratamento sério, longo e específico. É indicado acompanhamento psiquiátrico, associado a terapias cognitivas e comportamental com diferentes recursos, como fotos, audiovisuais, entre outros.

 

É importante que o doente se conscientize de seu problema ou conte com a ajuda de amigos e família para que busque tratamento.

 

O objetivo do tratamento comportamental com diferentes meios é fazer com que a pessoa volte a ter a imagem real dos seres humanos, incluindo a si mesma, através de alguns “confrontos”.

 

A terapia cognitiva deve utilizar formas de incluir modificação de pensamentos negativos e distorcidos e de crenças irracionais sobre aparência física ao indivíduo. A discussão profunda sobre a imagem das pessoas pode devolver a autoestima do paciente.

 

O uso de medicamentos também pode ser prescrito pelo médico, já que este transtorno demonstra características compulsivas e obsessivas.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima!   


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]