[the_ad_group id="16403"]
Especialidades

O que são e como agem os glicídios?

Por Redação Doutíssima 26/12/2014

Os glicídios poderiam ser considerados as moléculas doces que constituem nosso organismo. Eles são compostos basicamente por átomos de carbono, hidrogênio e oxigênio, ou seja, os açúcares. Também são chamados de samarídeos, carboidratos ou hidratos de carbono.

 

Do grego, “glicos” significa “doce”, então o nome designa essa classe bastante abrangente, que compreende desde os açúcares comuns até a celulose e o amido, produzidos pelos vegetais através da fotossíntese.

glicídios

As chamadas moléculas doces fornecem energia ao organismo. Foto: iStock, Getty Images

 

Glicídios geram energia

 

Entre os principais glicídios, estão a sacarose (presente na cana-de-açúcar e na beterraba, que é o açúcar comum), o amido (presente em grãos, como milho, arroz e trigo, e é usado para produzir glicose, álcool, cola e goma) a glicose (cristais que se dissolvem na água, encontrados no mel, frutas como figo e a uva e também no sangue).

 

Também são encontrados na frutose (encontrada em frutas doces) e a celulose (sendo dois tipos: a comum, que sustenta o vegetal e dá origem à glicose, e a inulina, que origina a frutose). A maior função deles é gerar energia para o corpo.

 

São encontrados em alimentos como feijão, lentilha, soja, ervilhas, batata, mandioca, nozes, avelãs, amêndoas, castanhas, amendoim, centeio, aveia, cevada, milho, girassol, abóbora, e vários outros.

 

Quando chegam ao nosso organismo, os glicídios são transformados em açúcar simples. Depois de absorvidos pelo intestino delgado e transportados pelo sangue, eles sustentam o corpo com energia e dão funcionamento ao metabolismo das nossas células.

 

Quando não utilizados logo, ficam armazenados na parte do fígado ou dos músculos e são uma reserva para caso de necessidade, quando faremos algo intenso que demande muita energia.

 

Os açúcares naturais, mesmo os que não são refinados (como o mascavo e o melado), além do mel e os açúcares complexos (como o que é retirado do malte e da cevada) são absorvidos aos poucos pelo intestino delgado e não causam aumento da taxa de açúcar no sangue (hiperglicemia).

 

Eles têm a quantidade ideal de minerais, vitaminas e enzimas que nosso corpo precisa para exercer corretamente o processo de metabolismo.

 

O açúcar proveniente das frutas secas (quando armazenadas sem gases ou químicos) guardam muitas vitaminas, além de grandes taxas de magnésio. Como energético, são excelentes e devem ser comidas depois de ficarem de molho por algum tempo, o que facilita a digestão.

 

Quando consumidos de forma moderada, os glicídios não apresentam risco à saúde. No entanto, eles podem ser causa de problemas como diabetes, hipoglicemia, ansiedade, obesidade, queda dos dentes, doenças cardíacas, hiperatividade e acne.

 

Glicídios podem ser perigosos

 

A gordura animal pode ser menos perigosa que os glicídios. Isso acontece porque a gordura saturada presente em alimentos com esse composto é maior, o que contribui para o aparecimento de doenças cardiovasculares.

 

Enquanto a carne vermelha e o leite derrubam as taxas de ácido palmitoleico (que é um ácido graxo relacionado aos açúcares), o consumo de alimentos como pães e doces aumenta sua proporção. Por isso, uma dieta equilibrada entre gordura animal e açúcar pode possibilitar a ingestão de gorduras como combustível e não como acúmulo.

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima!


[the_ad_group id="16349"]
[the_ad_group id="16404"]