[the_ad_group id="16403"]
Clínica Geral

Estomatite aftosa gera ferida na boca. Veja como tratar

Por Redação Doutíssima 07/01/2015

Apesar do nome, a estomatite não está relacionada diretamente ao estomago. Existem vários tipos de estomatite e entre eles está a estomatite aftosa, também conhecida como afta. É uma inflamação causada por um vírus que afeta a superfície mucosa da boca que pode vir a se manifestar através de úlceras.

Essas úlceras podem ocorrer nas regiões dos lábios, bochechas, gengivas, língua e palato, atingem mais frequentemente crianças de 3 a 5 anos, mas também podem ocorrer em adultos.

estomatite aftosa

Conhecida popularmente como afta, a estomatite aftosa é muito incômoda. Foto: iStock, Getty Images

Estomatite aftosa pode ser deficiência imunológica

Entre as principais causas da estomatite aftosa estão a ingestão de alimentos ácidos, deficiência de alguns minerais e vitaminas (ferro, ácido fólico e vitamina B12), alterações hormonais, deficiência imunológica, aparelhos ortodônticos.

Fumar também contribui para a formação de estomatite aftosa, bem como higiene bucal precária e a ocorrência de episódios estressantes.

Os principais sintomas da afta são formação de lesões internas esbranquiçadas, queimação na região da lesão, rompimento da derme em um período de 4 dias e dor no local. Em alguns casos, pode ocorrer febre e falta de apetite.

A estomatite aftosa ainda pode ser classificada em leve, moderada e grave. Sendo considerada leve quando o individuo apresenta até três episódios por ano. Moderada de três a oito episódios e grave mais e oito por ano.

Em casos mais graves, pode tornar-se crônica. Normalmente as aftas desaparecem espontaneamente. Idosos não apresentam estomatite aftosa devido a sua mucosa bucal ser mais espessa.

Como tratar a estomatite aftosa

Para a diminuição da dor causada pela inflamação pode-se utilizar bicarbonato na forma de bochechos diluído em água e não deve ser engolido. Medicamentos que atuem como anti-inflamatórios e anestésicos também ajudarão na diminuição do desconforto provocado pelas aftas. As aftas podem ter duração de até 14 dias.

Fique atento! Outras lesões que se mantenham por mais de 14 dias devem ser investigadas por um médico.

Alguns alimentos devem ser evitados por serem ácidos. Eles podem contribuir para a formação de aftas se consumidos em grande quantidade. São alimentos como azeitonas, milho, ameixa e cevada.

Mas também há aqueles alimentos que podem ajudar a equilibrar essa balança. Consuma sem medo folhas de beterraba, alfafa, amora, vinagre de maçã, iogurtes, maçãs e mamão.

A estomatite aftosa é mais comum no outono e no inverno por ser a época onde mais ocorrem gripes e resfriados. Para evitar o contágio é recomendado manter as mãos limpas e não levá-las à boca.

Os cuidados com as crianças devem ser ainda mais extremos. Evite que seu filho leve brinquedos a boca. A higiene bucal dos menores pode ser feita com gazes embebidas em soro fisiológico, que servem para limpar os dentes dos bem pequenos, além da escovação.

Evite preparar comidas muito ácidas e muito temperadas, pois podem tornar o desconforto ainda maior. A ingestão de água também ajuda a diminuir o incômodo provocado pelas aftas.

Se o surgimento de aftas tornarem-se mais recorrentes procure um médico. Fique atenta a saúde bucal da sua família. A estomatite aftosa tem tratamento e com o devido acompanhamento médico você terá a sua qualidade de vida restaurada.

 

 

 


[the_ad_group id="16349"]
[the_ad_group id="16404"]