[the_ad_group id="16401"]
Sexualidade

Sexting: conheça os perigos dessa moda entre adolescentes

Por Redação Doutíssima 03/02/2015

A nova moda entre os adolescentes é o sexting, a prática de enviar, pelo celular, fotos ou vídeos em poses provocantes, com pouca ou nenhuma roupa ou ainda em posições sexuais.

 

sexting

Pais devem ficar atentos à moda de enviar fotos com teor sexual pelo celular. Foto: iStock, Getty Images

 

As mensagens trocadas podem ser entre duas pessoas ou grupos. O problema, além da exposição precoce, é que eles não têm controle sobre a redistribuição das mensagens por parte dos envolvidos e não pensam nas consequências do ato.

Como o sexting é usado

 

Fazer uma foto nua e enviar para um menino já não é mais algo estranho entre os jovens. Eles podem fazer um sexting como forma de agradecer uma atitude gentil de um amigo ou mesmo uma foto sexualmente explícita.

 

Isso também pode ser usado para conquistar alguém ou como vingança, quando o menino repassa para outros as fotos da ex-namorada.

 

Um promotor de Justiça americano afirmou ao jornal The New York Times que um jovem ter uma foto da namorada nua é para provar aos amigos que ele é sexualmente ativo.

 

Algumas jovens disseram que o sexting é algo seguro, pois não engravida. Só que essa segurança é relativa, pois depois de enviada a foto ou o vídeo, o dono perde o controle sobre sua divulgação.

 

Quais as consequências do sexting

 

Certamente, você já ouviu que a internet é terra de ninguém, certo? Quando o assunto é sexting, essa expressão se enquadra perfeitamente. Para se ter uma ideia do perigo: em apenas dois anos, quase triplicou os casos de denúncias de pessoas que tiveram fotos divulgadas na internet sem autorização.

 

Segundo a ONG Safernet Brasil, em parceria com a Polícia Federal e o Ministério Público, a maioria das vítimas são meninas entre 13 e 15 anos. Elas também são as que mais sofrem as consequências psicológicas.

 

Divulgar imagens oriundas de sexting é crime

 

Divulgar vídeos, fotos ou outros materiais de teor sexual, sem a autorização do dono, pode ser considerado crime pela Justiça. Mesmo que as imagens sejam obtidas através da troca de fotos, se o proprietário não aprovar o compartilhamento, ele não pode ser feito.

 

O ato é classificado como difamação ou injúria. Se as imagens são de crianças ou adolescentes, a lei prevê multa e detenção de três a seis anos. Se alguém invadir o celular de outra pessoa e divulgar fotos os vídeos, de acordo com lei apelidada de “Carolina Dieckmann”, pode ser multado e preso de três meses a um ano.

O que fazer para alertar os filhos

Se antes os pais “só” precisavam se preocupar com o conteúdo acessado pelos filhos, agora eles precisam ficar de olhos bem abertos em relação ao que entra e sai dos celulares. Veja dicas de como os pais podem abordar o tema com os filhos.

1. Converse  

Fale com os adolescentes sobre sexualidade e exposição do corpo.

2. Não critique

Aconselhe-o a não fazer mais isso. Não o critique se ele se abrir.

3. Aconselhe  

Fale sobre os riscos de ter fotos divulgadas na internet.

4. Explique  

Explique que isso é uma moda que vai passar e que ele não precisa disso para fazer parte de qualquer grupo.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]