Saúde

Saiba como funciona o tratamento do câncer de pâncreas

Por Redação Doutíssima 06/03/2015

O câncer de pâncreas é um dos tumores mais letais que existem e representa 4% das mortes por neoplasias no Brasil. De difícil diagnóstico, devido à localização do pâncreas, o tumor geralmente se desenvolve sem apresentar qualquer sintoma.

cancer de pancreas

O câncer pancreático é extremamente agressivo e pode ser causado pelo cigarro. Foto: iStock, Getty Images

Por isso, quando diagnosticado já está em estágio avançado e praticamente impossível de ser tratado. Raro em jovens, o câncer de pâncreas é mais comuns em homens acima dos 60 anos. O cigarro é um fator de risco importante para o desenvolvimento da doença.

 

A ciência já sabe que 30% dos casos de câncer podem ser evitados com medidas preventivas, entre elas, evitar o cigarro, moderar o consumo de álcool, prática regular de atividade física, alimentação balanceada, rica em frutas e verduras e pobre em gordura, e controle da diabetes. O mesmo serve para a prevenção do câncer pancreático.

 

Tratamento do câncer de pâncreas é difícil

 

O pâncreas é uma glândula do sistema digestivo que cumpre papel importante na produção de enzimas e da insulina, hormônio responsável pelo controle das taxas de glicose no sangue.

Localizado na parte de cima do abdômen e atrás do estômago, o pâncreas é dividido em três partes: cabeça, corpo e calda. A maioria do casos localiza-se na região da cabeça.

 

Justamente por estas peculiaridades que o câncer de pâncreas é de difícil diagnóstico, o que põe em risco a eficácia do tratamento.

 

Extremamente agressiva, esta neoplasia só é passível de cura quando diagnosticada bem no início do tumor. Nesses casos, o tratamento indicado é a cirurgia, mas para isso, o tumor precisa estar pequeno.

Quimioterapia e radioterapia também podem ser usadas para tentar a diminuição do tumor e também alívio dos sintomas do câncer de pâncreas. Em casos cujos exames evidenciem metástases em outros órgãos, o tratamento paliativo imediato é o mais indicado.

 

A sobrevida em casos muito avançados, infelizmente, não é maior que seis meses, e nesses casos, os médicos optam por medicamentos que apenas reduzam a dor e o desconforto dos pacientes.

 

Fatores de risco para o câncer de pâncreas

 

O risco de desenvolver câncer de pâncreas aumenta após os 60 anos de idade, em especial, entre os 65 e 80 anos. Homens estão mais suscetíveis a desenvolver a neoplasia. Na maioria das vezes, é impossível determinar a causa da doença, no entanto, em 90% dos casos possíveis de identificação, a causa é o cigarro.

Pancreatite crônica, diabetes tipo 2, exposição prolongada a pesticidas e a outros produtos químicos e radioativos, radioterapia anterior, síndromes genéticas e retirada da vesícula biliar também podem são fatores de risco para o desenvolvimento e câncer pancreático.

 

Diagnóstico para câncer

 

Quando sintomático, o câncer apresenta os seguintes sinais: tontura, indisposição, perda de peso e diarreia. Por isso, ao menor sinal desses sintomas, procure um médico para fazer exames e descartar a doença.

 

O diagnóstico desta neoplasia é feita através de um exame clínico bem realizado, exames de laboratório, como de urina, fezes e sangue.

 

O médico também pode solicitar tomografia computadorizada do abdômen, ressonância nuclear de vias biliares e da região do pâncreas, ultrassonografia abdominal e também biópsia do tecido.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


Sites parceiros