[the_ad_group id="16401"]
Relato de mãe

Como visitar uma mãe de primeira viagem, por Mariana Parreiras

Por Redação Doutíssima 07/04/2015

A chegada do bebê é um momento único e mesmo sendo o segundo, terceiro, quarto filho, a mulher tem sempre algumas inseguranças como se fosse uma mãe de primeira viagem. Pensando nisso, a nossa colunista Mariana Parrreiras preparou um verdadeiro manual de etiqueta para as visitas.

 

O primeiro conselho, ou melhor, a regra número um é não visitar a nova mamãe nos primeiros dias de vida do seu bebê. Isso vale para amigos queridos e para aqueles parentes que estão mais curiosos com a novidade do que preocupados em ajudar. Leia, anote e compartilhe com todas as suas amigas gravidinhas!

 

maternidade

Espere qua a mãe de primeira viagem sinalize o melhor momento para visitar o bebê. Foto: Shutterstock.

 

Recentemente, uma das minhas melhores amigas teve um bebê, mas ao contrário da maioria dos nossos amigos, eu esperei um mês antes de visitá-la. Ela ficou ofendida por minha espera? Não. Ela ficou grata. Nós tínhamos trocado idéias de antemão sobre os equívocos que as pessoas têm sobre uma mulher que acabou de dar à luz e o que ela realmente precisa.

 

Gostaria de apresentar a real etiqueta sobre como visitar uma nova mãe. Por favor, leia e releia esta lista antes de visitar uma amiga que deu à luz recentemente.

 

1 – Você não deve ser a prioridade da mãe de primeira viagem

 

Ao contrário de outras visitas que você tenha feito à casa da nova mamãe, desta vez ela não tem a obrigação de lhe oferecer algo para comer ou certificar-se de que sua casa esteja impecável. Pelo contrário, se ela não tem empregada ou alguém ajudando com esses afazeres, a casa dela provavelmente não estará um brinco para receber visitas.

 

Se você é realmente uma boa amiga, você é quem trará a ela e sua família algum alimento. A prioridade dela agora é o filho.

 

Aqui nos Estados Unidos, as mamães chegam ao ponto de planejar com antecedência um calendário para cada amigo leve à nova mamãe uma refeição por dia, por um mês. Existem websites onde a mulher que vai dar luz em breve escreve os alimentos que ela prefere e os amigos escolhem em um calendário o dia em que eles vão levar o jantar.

 

Com os meus dois filhos, não precisei me preocupar com almoço e jantar por um bom tempo, pois minhas amigas se preocuparam com isso para mim. Na maioria das vezes, esta entrega é feita na porta de casa e o amigo deixa a refeição e geralmente nem sequer chega a ver o bebê.

 

O que me leva a um ponto importante:

 

2 – Não apareça sem ser convidado

 

Melhor ainda, pergunte à nova mãe por telefone, ou através de mensagem de texto (o que é preferível porque geralmente ela não terá tempo para conversar ao telefone), quando ela estará pronta para receber visitas ao bebê.

 

As primeiras semanas depois de dar a luz podem ser bem intensas e a nova mamãe não pode estar se sentindo muito bem para lidar com ninguém, a não ser que tenha muitíssima intimidade.

 

3 – Deixe os seus filhos em casa

 

Seus filhos podem fazer muito barulho, o que pode assustar e estressar o recém nascido, eles podem querer tocar o bebê (e muitas mães não gostam disso, porque as crianças nem sempre lavam as mãos), e se eles são pequenos, eles criarão a confusão costumeira de criança pequena. A nova mãe não precisa de mais tumulto.

 

4 – Faça com que sua visita seja breve

 

O novo bebê não dorme muito durante a noite, e a nova mamãe pode estar lutando com a amamentação. Quando o bebê dorme, ela quer dormir também. Quando o bebê quer ser alimentado, é preciso tempo e ela precisa de paz e tranquilidade. Se você ficar por mais de uma hora, você está sendo inconveniente.

 

5 – Mantenha as suas opiniões para si mesma

 

Isto é especialmente verdadeiro se os seus filhos estão crescidos e você não se lembra de como ela está se sentindo, ou se você não tem filhos. Mesmo que você tenha criado vinte pessoas e nenhuma se tornou um psicopata, a mãe de primeira viagem quer descobrir por si mesma o que funciona para ela.

 

Só dê a sua opinião sobre o que a nova mãe precisa fazer se ela perguntar, ou se ela está realmente tendo dificuldades com alguma coisa. Caso contrário, mantenha a boca fechada.

 

A mãe de primeira viagem provavelmente já está se sentindo um tanto inadequada e o que você já fez ou deixou de fazer em suas experiências com outras crianças pode não se aplicar à realidade dela.

 

Isso me leva a um outro assunto:

 

6 – Amamentar ou não é uma decisão individual e ela pode não querer ter que explicar isso a você

 

A amamentação pode ser um grande desafio para muitas mães. Nenhum de meus filhos pegou no peito direito. Com o meu primeiro, eu tive que tirar leite com bomba por doze meses. Com as duas crianças eu senti uma dor terrível e foi muito difícil  conseguir que o segundo alimentasse no seio, o que demorou quase três meses para acontecer sem empecilhos.

 

Eu não me sentia confortável em amamentar na frente de outras pessoas, então eu tinha que ir para outro quarto, ou cobrir os seios e o bebê com um pano. Não se surpreenda se a sua amiga fizer isso também e se for para outro lugar com a criança por uns quarenta e cinco minutos. Talvez esse seja um bom momento para deixá-la sozinha e terminar a sua visita.

 

Além disso, a nova mãe pode decidir não amamentar. Esta é a decisão dela e de ninguém mais.

 

Ela conhece os benefícios do aleitamento materno, confie em mim. Alguém já disse isso a ela.  Você não precisa dar uma aula sobre o assunto.

 

Se ela escolheu alimentar seu bebê somente com fórmula seja porque é muito estressante amamentar (você sabia que muitas mulheres não produzem leite suficiente?), seja por razões pessoais, a decisão é dela. Respeite-a. Fórmula de bebê não é veneno.

 

7 – Lave as mãos antes de tocar no bebê

 

Pelo amor de Deus.

 

8 – Ajude onde ela realmente precisa

 

A mãe de primeira viagem pode precisar de ajuda com o bebê, mas o que ela realmente quer é ajuda com todo o resto, especialmente se ela não tem empregada: a casa, as outras crianças, com as refeições. Pergunte se você pode levar seus outros filhos ou cães para uma caminhada, ou a um parque, para que ela possa ficar sozinha.

 

9 – Não roube o bebê

 

Apesar de muitas vezes a mãe precisar que alguém tome conta do seu bebê para que ela possa recarregar suas baterias internas, a maioria das mães, especialmente as de primeira viagem, ficam com ciúmes da criança. Não é porque ela seja insegura.

 

O bebê e a mãe ainda estão formando um vínculo ao qual ficar interrompendo frequentemente não é bom para ninguém. Muitas mães não gostam quando o visitante e familiares estão sempre querendo segurar o bebê. Leia o número 8 novamente.

 

10 –  Saiba quando detectar a depressão pós-parto

 

Há uma enorme mergulho nos níveis hormonais após o parto e a nova mãe pode estar experimentando um transtorno emocional. Acrescente-se o fato de que ela se sente cansada e talvez sobrecarregada. Ela pode não estar se comportando como o seu normal.

 

Eu experimentei uma onda de sentimentos fortes e de tristeza profunda alguns dias depois do meu primeiro filho nascer. Foi uma sensação intensa que eu nunca tinha vivido antes.

 

Muitas mães não só não gostam de falar sobre o assunto, como nem sabem que estão passando por uma depressão. Se você tiver intimidade com a nova mãe, ofereça ajuda, escute suas frustrações sem julgar, e diga que isso é normal e vai passar. Aconselhe ela a dividir isso com o médico dela também.

 

11 -Leve o tipo de presente que ela realmente precisa

Pergunte à nova mãe que tipo de fraldas o bebê usa e traga uma enorme caixa, juntamente com um pequeno presente mais sentimental. Aqui na Califórnia esse tipo de presente não é brega, é prático! Eu tenho tantas fraldas que amigos trouxeram quando meu segundo nasceu que só agora, depois do bebê ter completado um ano, que precisei comprá-las novamente.

 

12 – O que dizer a uma mulher que acaba de dar à luz, mesmo que você na acredite completamente:

 

Primeiramente, leia o número 5 novamente.

 

Você está ótima!”

“Você precisa de ajuda com a casa? As outras crianças? Com o animal de estimação? Quer que eu pegue alguma coisa no supermercado?”

“Sua barriga vai voltar ao normal. Não se preocupe.”

“O bebê é perfeito!”

Você é uma boa mãe.”

“Isso já já passa.”

 

Mariana Parreiras

Mariana Parreiras e os pequenos John e Matt. Foto: Arquivo pessoal.

Mãe do John e do Matthew, Mariana Parreiras, 35 anos, escreve semanalmente para a coluna “Relato de Mãe”. Num texto leve e moderno, ela conta sobre a delícia e a dor de ser mãe. Formada em comunicação e com uma carreira consolidada em grandes empresas americanas, Mariana colocou a vida profissional em segundo plano para cuidar da educação dos filhos. Acompanhe!

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]