A religião budista é unida em certas crenças, mas dentro dela existem algumas variações. O zen-budismo é, talvez, a escola mais conhecida do budismo na América. Seus conceitos têm sido influentes na sociedade ocidental desde a segunda metade do século XX.

Mas o que é e como ele é diferente das outras vertentes budistas? Descubra mais a seguir sobre essa prática e como ela pode beneficiar você.

zen-budismo
Conceito filosófico vem conquistando adeptos no mundo ocidental. Foto: iStock, Getty Images

O que é zen-budismo?

Existem atualmente cerca de 9,6 milhões zen-budistas no Japão. Entretanto, numerosos grupos zen se desenvolveram na América do Norte e na Europa no último século. É uma religião cada vez mais visível no Ocidente.

 

As palavras “zen” (japonês) e “ch’an” (chinês) derivam da palavra em sânscrito Dhyana, que significa “meditação”. O zen-budismo se concentra em alcançar a atenção plena mediante uma disciplina de corpo e mente.

 

O zen-budismo ensina que todos os seres humanos têm a natureza de Buda ou o potencial de atingir a iluminação. Em outras palavras, conseguem ver a mente original ou a sua natureza original sem a intervenção do intelecto.

 

Além disso, essa religião, também considerada um conceito filosófico, rejeita o estudo das escrituras, ritos religiosos, práticas devocionais e boas obras em favor da meditação de liderança. O treinamento no caminho zen é geralmente realizado por um discípulo sob a orientação de um mestre.

 

Zen-budismo na prática

Zen diz respeito a viver no presente com plena consciência e tentar experimentar cada momento diretamente, não deixando que pensamentos, lembranças, medos ou esperanças fiquem em seu caminho. Pratica-se ciente de tudo o que se vê, ouve, sente, saboreia e cheira.

 

Outra maneira de olhar para o zen-budismo é que um praticante tenta ser completa ciência de qualquer momento em particular.

Por exemplo, quando comem, se concentram totalmente na comida e no ato de comer. Quando meditam, abrem a mente para a realidade do momento, não permitindo que pensamentos, sentimentos ou sensações sejam preocupações.

 

Acalmando a mente

No zen-budismo, o objetivo da meditação é “aquietar a mente”. É por isso que há um expressivo número de métodos de meditação. A prática zen é “zazen”, ou seja, envolve sentar em uma das várias posições disponíveis e meditar para que você se esteja totalmente em contato com a verdadeira natureza da realidade.

 

A postura clássica para a meditação zen é chamada de posição de lótus. Isso envolve sentar de pernas cruzadas, com o pé esquerdo em cima da coxa direita e o pé direito em cima da coxa esquerda.

 

A posição de lótus pode ser difícil e desconfortável para os iniciantes, mas há outras posições sentadas que são mais fáceis, como a metade de lótus: apenas um pé é colocado em cima da coxa oposta, ou simplesmente senta-se de pernas cruzadas sobre uma almofada com os joelhos dobrados e pernas dobradas debaixo das pernas superiores.

 

Alguns métodos de meditação clássicos usam a própria respiração do praticante. Pode-se simplesmente sentar e concentrar na respiração. O fato é que existem muitos métodos de meditação, alguns envolvem mantras e outros concentram-se em algo particular.

 

Um pouco de história

O zen-budismo foi trazido para a China pelo indiano Bodhidharma, monge do século VI d.C. Era chamado de Ch’an na China. A idade de ouro do Zen começou com o Sexto Patriarca, Hui-neng (638-713), e terminou com a perseguição do budismo na China em meados do século EC 9.

 

A maioria dos grandes mestres Zen surgiram neste período e se espalharam para a Coréia no século VII dC e para o Japão no século XII dC. Foi popularizado no ocidente pelo estudioso japonês Daisetz Teitaro Suzuki (1870 – 1966), embora já estivesse aqui antes disso.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


DEIXE UMA RESPOSTA