[the_ad_group id="16401"]
Especialidades

Conheça os sintomas da síndrome das pernas inquietas

Por Redação Doutíssima 23/06/2015

As pessoas com síndrome das pernas inquietas têm sensações desconfortáveis ​​em suas pernas e um impulso irresistível de movê-las para aliviar os sintomas. Isso geralmente piora à noite, quando a pessoa está deitada, e por isso ela é considerada um grave distúrbio do sono.

 

Com o diagnóstico correto, é possível identificar e tratar essa condição. Estudos brasileiros indicam que 6% da população pode sofrer com o problema.

sindrome das pernas inquietas

Síndrome das pernas inquietas pode ficar intensa à noite e atrapalhar o sono. Foto: iStock, Getty Images

 

Síndrome das pernas inquietas: como identificar

As pessoas com a síndrome sentem sensações desconfortáveis ​​nas pernas, e por isso precisam mantê-las em movimento para minimizar ou evitar o desconforto.

A característica clássica da síndrome das pernas inquietas é que os sintomas são piores à noite. Além disso, outra situação que a desencadeia são períodos de inatividade – por exemplo, longas viagens, imobilização com gesso ou exercícios de relaxamento.

 

Os sintomas podem variar, tanto quanto a gravidade como quanto a frequência. As pessoas com síndrome leve normalmente apresentam alguma perturbação no início do sono e menor interferência em atividades diurnas.

 

Em casos moderados, os sinais aparecem apenas uma vez ou duas vezes por semana, mas resultam em atraso significativo do início do sono e alguma perturbação durante o dia. Em casos graves, os sintomas ocorrem mais do que duas vezes por semana e resultam em interrupção do sono pesado.

 

Causas da síndrome das pernas inquietas

Na maioria dos casos, a causa da síndrome das pernas inquietas é desconhecida. Quando acontecem antes dos 40 anos de idade, acredita-se que ela pode ter um componente genético.

A síndrome também parece estar relacionada aos seguintes fatores ou condições, embora isso não esteja devidamente comprovado:

 

– Doenças crônicas, como insuficiência renal, diabetes e neuropatia periférica

– Certos medicamentos que podem agravar os sintomas

– Gravidez, especialmente no último trimestre.

– Álcool e privação de sono também podem agravar ou desencadear os sintomas

 

Não há nenhum teste específico para a síndrome das pernas inquietas. Por isso, os médicos procuram diagnosticá-la com as descrições do indivíduo quanto a sintomas e gatilhos.

Um exame físico e neurológico, além de informações sobre histórico familiar ou lista de medicamentos que está tomando, podem ser úteis.

 

Tratamento da síndrome

A síndrome é uma condição séria, mas tratável. A chave está em gerir os sintomas. Mudanças de estilo de vida, como limitar cafeína e álcool, tomar suplementos de ferro ou banho quente e iniciar um plano de exercícios geralmente ajudam.

 

Embora muitas pessoas encontrem algum alívio com tais medidas, raramente elas eliminam completamente os sintomas. Nesses casos, os medicamentos são úteis e devem ser prescritos.

 

É importante buscar tratamento para o problema porque alguns estudos têm relacionado essa condição com algumas complicações de saúde. Um estudo da Harvard Medical School, por exemplo, indica que mulheres de meia-idade que sofrem com a condição podem ter risco aumentado de hipertensão arterial.

De acordo com outro levantamento, também ligado a Universidade de Harvard, a impotência ou a disfunção erétil é mais comum entre homens mais velhos com síndrome das pernas inquietas, e quanto mais frequentes são os sintomas do distúrbio do sono, maior o risco de impotência.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]