[the_ad_group id="16401"]
Filhos > Gravidez e Filhos

Crianças que mentem têm uma boa memória, revela estudo

Por Redação Doutíssima 24/06/2015

A mentira nunca foi vista com bons olhos, sobretudo se ela é contada por uma criança. Esse comportamento confunde os pais e abala a confiança que eles têm em seus filhos. Mas os resultados de um estudo anglo-americano, publicado essa semana na Journal of Experimental Child Psychology, mostraram que as crianças que mentem têm, em geral, uma boa memória.

 

Essa conclusão é fruto de um trabalho feito pela equipe da Universidade da Florida, nos Estados Unidos e da Universidade de Sheffield, na Inglaterra. Cerca de 140 crianças, com idades entre 6 e 7 anos, participaram do estudo por meio de testes de memória verbal.

 

crianças que mentem

As mentirinhas dos pequenos ajudam no desenvolvimento da memória.

 

Mentir é ruim, mas trabalha a memória

 

Os pesquisadores usaram um jogo de perguntas e respostas baseado em cartas coloridas. A regra era que as crianças não poderiam ver as respostas do outro lado das cartas. 

 

Em seguida elas ficaram sozinhas em uma sala por alguns minutos. Uma câmera observou o comportamento de cada uma delas. Resultado: cerca de 25% das crianças não resistiram e viraram as cartas, apesar de saber que aquilo era proibido.

 

Boa memória verbal

 

Após constatar que algumas crianças tinham virado as cartas, o grupo de cientistas voltou à sala e perguntou a elas o porquê delas terem feito aquilo. A ideia era analisar a capacidade dos pequenos de mentir e de contar uma história credível para se justificar. Graças aos testes, a ligação entre boas mentiras e boa memoria foi estabelecida pela primeira vez.

 

“Os pais em geral não ficam nada orgulhosos quando percebem as mentirinhas dos filhos. Mas agora eles podem, ao menos, ficar aliviados em saber que as mentiras bem elaboradas dos pequenos contrinuem para o desenvolvimento de uma boa memória. Que quando eles mentem, eles estão em pleno processo criativo também”, explica Elena Hoicka, psicóloga da Universidade de Sheffield, uma das autoras do estudo.

 

mentir

Ao invés de punir, os pais devem entender os motivos que levaram a criança a mentir.

 

Cuidados com a mentira

 

Embora o estudo anglo-americano tenha mostrado um lado positivo da mentira, é importante ensinar para as crianças a noção de verdade e transparência dos seus atos. “A mentira pode ser vista como algo lúdico, na pequena infância, mas deve ser menos tolerada no inicio da adolescência“, pondera Hoicka.

 

Entre os 3 e 6 anos, a imaginação e a fantasia têm um lugar importante na percepção das crianças com relação às relações humanas e ao mundo que as cercam. Elas tendem a reproduzir o fantástico visto nos livros, desenhos e brinquedos. Somente depois dos 7 anos elas conseguem diferenciar o real do imaginário.

 

Segundo a psicóloga, muitas são as razões que levam uma criança a mentir. Na maioria das vezes, a criança mente para se livrar de uma responsabilidade ou para não perder a admiração dos seus pais e amigos. Quando um menino bate em um amiguinho, por exemplo, e depois diz que não foi sua culpa, na verdade ele já percebeu que seu comportamento foi ruim, então a mentira aparece como uma forma rápida de se desligar das consequências desse ato.

 

mentir

Até os seis anos, as crianças misturam o real e o imaginário.

 

“Cabe aos pais e aos educadores ficarem atentos pra saber até que ponto a mentira se tornou um habito da criança”, alerta a psicóloga Hoicka.

 

As crianças também mentem por outros motivos, tais como:

 

– para não se sentir inferior ao outro, menos forte ou capaz

– por medo de não ser mais amada

– para se afirmar

– para embelezar uma situação desfavorável

– para criar um personagem que ela gostaria de ser

– para guardar certos segredos pra si mesmo

– para “sobreviver”, no caso dos pais serem intransigentes ou violentos

 

O que fazer quando a criança mente?

 

Uma conversa franca e serena é sempre a melhor opção pra resolver os problemas com as crianças. Para facilitar essa conversa, leve em consideração os seguintes pontos:

 

– Não culpabilize nem a julgue de forma tão severa. O mais importante é saber o motivo que a levou a mentir.

 

– Deixe claro que você desaprova essa atitude, e ratifique que a verdade é sempre a melhor opção, em qualquer circunstância.

 

– Reforce o amor que você sente por ela. Diga que ela pode sempre confiar em você.

 

– Conversem e encontrem juntos o motivo que a fez mentir

 

– Diga que você entende que às vezes não é fácil dizer a verdade, mas que a mentira não resolve nada.

 

 

 Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]