[the_ad_group id="16401"]
Clínica Geral

Hemograma completo: entenda o resultado e o que pode indicar

Por Redação Doutíssima 26/06/2015

Quando você vai ao médico, um dos primeiros exames solicitados é um hemograma completo. Os exames de sangue permitem uma análise detalhada de todos os marcadores de doença, os nutrientes e os resíduos de produtos na corrente sanguínea, bem como da forma como vários órgãos estão funcionando – fígados e rins, por exemplo.

 

Hemograma completo: células sanguíneas

Mudanças nos níveis de células de sangue podem ajudar o médico a avaliar sua saúde geral e detectar certos distúrbios. Um hemograma completo analisa o seu sangue para determinar se existem quaisquer aumentos ou diminuições em suas contagens de células. Os valores normais variam de acordo com a idade e o sexo.

hemograma completo

Resultados do hemograma podem indicar ao médico se há problemas no organismo. Foto: iStock, Getty Images

Conforme um estudo publicado em 2012 na revista Ensaios e Ciência,  com os dados de um hemograma completo, é possível que o médico faça uma investigação de doenças hematológicas no organismo. Um exemplo é se a medula está produzindo células na quantidade correta.

No entanto, é importante lembrar que, segundo informações do portal da Sociedade Brasileira de Análises Clínicas (SBAC), o hemograma por si só não se constitui no diagnóstico de alguma doença. Ele serve como guia para o médico investigar se há alguma alteração no organismo, solicitando outros exames que possam confirmar se há ou não algum problema.

O teste mede os três tipos básicos de células sanguíneas:

1. Hemácias

São as células vermelhas do sangue, que trabalham para transportar oxigênio para o corpo e remover o dióxido de carbono.

O hemograma completo mede dois componentes dessas células vermelhas: a hemoglobina, que é a proteína de transporte de oxigênio, e o hematócrito, que é a percentagem de glóbulos vermelhos no sangue. Os baixos níveis de hemoglobina e hematócrito são, muitas vezes, sinais de anemia ou de que há deficiência de ferro.

 

2. Leucócitos

Os glóbulos brancos ajudam o organismo a combater infecções. Por isso, o exame mede o número e os tipos de leucócitos em seu corpo. Quaisquer aumentos anormais ou diminuição do número ou dos tipos de células brancas pode ser um sinal de infecção, inflamação ou câncer.

 

3. Plaquetas

As plaquetas ajudam a controlar um sangramento. Quaisquer alterações nos níveis de plaquetas são capazes de colocar você em risco de sangramento excessivo, e também ser um sinal de uma condição médica séria.

 

Os resultados dos testes muitas vezes variam, dependendo da contagem de células específicas que somente pode ser avaliada ou diagnosticada por um médico. Em geral, se a contagem de células de sangue é muito alta ou muito baixa, é possível que esteja sinalizando uma ampla variedade de condições, incluindo:

 

Deficiências de ferro ou de vitaminas e minerais

– Distúrbios hemorrágicos

– Doença cardíaca

– Doenças autoimunes

– Problemas de medula óssea

– Câncer

– Infecção ou inflamação

– Reação à medicação

 

Como se preparar para um hemograma completo?

A preparação para fazer um hemograma pode variar, dependendo do local e da prescrição do médico. Normalmente, é solicitado para que o paciente fique de três a oito horas em jejum. Certifique-se de, no dia do exame, usar uma camisa de manga curta ou uma camisa com mangas que possam ser facilmente levantadas.

Para fazer o hemograma completo, um profissional capacitado retira uma amostra de sangue através da inserção de uma agulha em uma veia do seu braço, geralmente na curva de seu cotovelo. A amostra de sangue é enviada para um laboratório, que a analisa. Você pode retornar às atividades normais imediatamente.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]