[the_ad_group id="16401"]
Clínica Geral

Câncer de testículo é mais comum em homens entre 15 e 35 anos

Por Redação Doutíssima 01/07/2015

O câncer de testículo é uma doença muito peculiar, capaz de atingir homens mais jovens. Em 2014, um garoto de apenas 9 anos foi diagnosticado com a doença no Reino Unido, e muitos atletas jovens e saudáveis também têm sido notícia por serem afetados pelo tumor.

 

Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), o câncer de testículo é o tumor mais prevalente em homens entre 15 e 35 anos. A doença é tratável e as estatísticas são promissoras: os riscos de morte são de apenas uma em cinco mil.

cancer de testiculo

Dores recorrentes no abdômen e na virilha podem significar tumor no testículo. Foto: iStock, Getty Images

Os números mundiais indicam incidência de seis a 11 casos para cada 100 mil homens – no Brasil, 2,2 casos para 100 mil homens.

 

Em 2014, uma pesquisa realizada pela Orchid, organização britânica que visa conscientizar sobre tipos de câncer masculinos, descobriu que dois terços dos homens com câncer de testículo não conhecem os sinais da doença. É um dado preocupante, pois quanto mais precoce for o diagnóstico, mais fácil é o tratamento.

 

Como identificar o câncer de testículo

Esse tipo de câncer pode ter sintomas silenciosos e por isso o autoexame regular é fundamental. Os sinais incluem nódulo ou alargamento de qualquer testículo, sensação de peso no escroto e dor no abdômen, virilha, testículo ou escroto. Há ainda outros sintomas menos comuns: alargamento ou sensibilidade das mamas e dor nas costas.

 

Em geral, esse câncer afeta apenas um testículo. Se ao fazer um autoexame você encontrar algo fora do comum em um deles (caroço ou inchaço, por exemplo), é importante buscar ajuda médica para avaliar as causas. O diagnóstico precoce é fundamental, já que alguns tipos dessa doença evoluem rapidamente.

 

Normalmente, é feita uma ultrassonografia. Esse exame tem caráter de urgência e os resultados ficam prontos em poucas semanas. Em média, 96% das alterações que afetam os testículos não são cancerígenas.

 

câncer de testículo

Principais causas do câncer de testículo

Há poucos fatores de risco conhecidos para o câncer de testículo. Segundo alguns estudos, homens nascidos com um testículo não descido e cujos irmãos ou pai tenham sofrido da doença são mais suscetíveis a desenvolvê-la.

 

Além disso, alguns levantamentos sugerem que homens mais altos que a média dos demais têm riscos maiores, assim como quem sofre algum trauma repetido na área. Ainda, certos estudos têm sugerido que o consumo regular de maconha pode causar a forma mais agressiva da doença.

 

Após o diagnóstico, como a doença é tratada?

As opções para tratamento do câncer de testículo dependem de vários fatores: tipo e estágio do câncer, saúde geral do paciente e suas preferências. Um dos procedimentos mais comuns é a remoção do testículo – é possível fazê-la em quase todas as fases e tipos de câncer testicular.

 

Além disso, a radioterapia muitas vezes é recomendada – inclusive após a retirada do testículo. Quanto à quimioterapia, usada para matar as células cancerosas, normalmente é prescrita antes e depois da cirurgia de remoção do linfonodo.

 

Caso o tratamento inicie com o câncer em estágio inicial, as chances de cura são de aproximadamente 98%. Por isso, conheça seus testículos e procure ajuda médica quando detectar qualquer anormalidade.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]