Cursar uma universidade está mais democrático graças à possibilidade de se conseguir uma bolsa de estudo tanto dentro do País quanto no exterior. Porém, democratizar o ensino superior não que dizer que conseguir uma bolsa se tornou uma tarefa mais fácil. Existem regras específicas e são exigidas notas excelentes, além de muito empenho do candidato.

Tipos de bolsa de estudo disponíveis

O Brasil oferece programas de estudo em mais de 30 países. A variedade de cursos e países atendidos é grande e as bolsas podem custear de formar integral ou parcial as despesas.

bolsa de estudo doutíssima istock getty images jovem estudando
Brasil oferece programas de bolsa de estudo em mais de 30 países. Foto: iStock, Getty Images

1. ProUni

Em 2015, o Programa Universidade para Todos (ProUni), ofertou 213.113 bolsas de estudos para 30.549 cursos de graduação de 1.117 instituições de ensino superior privado. Desse total de bolsas, 77.497 eram parciais (50%) e 135.616 integrais (100%).

Para participar do ProUni é necessário fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no ano anterior, ter média de no mínimo 450 e não zerar a redação. As inscrições podem ser feitas no primeiro e no segundo semestre do ano.

Para disputar a bolsa de estudo integral é exigido que o candidato tenha uma renda familiar bruta de até 1,5 salário mínimo por pessoa. Já se a intenção é concorrer a uma bolsa parcial, o candidato deve ter uma renda familiar bruta de até três salários mínimos por pessoa.

2. CNPq

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) oferece bolsas de estudos para o estudantes de ensino médio, graduação, pós-graduação e pesquisadores no Brasil e no exterior.

 

O valor do auxílio oferecido pelo CNPq pode variar de R$ 100, que é destinado a Iniciação Científica Júnior, a R$ 14 mil, que é oferecido à categoria de Pesquisador Visitante Especial. Para fazer uma solicitação de auxílio, o candidato deve primeiro fazer seu cadastro no Currículo Lattes.

3. Ciência sem Fronteiras

Desde 2011, o Ciência sem Fronteiras (CFS) já ofereceu 83 mil bolsas de estudo para brasileiros que desejavam estudar em universidades conceituadas do exterior. De acordo com Associação Brasileira de Organização de Viagens Educacionais, só em 2014, 230 mil brasileiros foram estudar fora do Brasil para aperfeiçoar um segundo idioma e também para cursar o ensino superior.

O Ciência sem Fronteiras exige que os candidatos tenha alcançado a média de 600 pontos, no mínimo, para disputar uma bolsa de estudo no exterior. O estudante interessado, além de alcançar a média exigida, deve entrar em contato com a universidade que está matriculado para consultar as regras internas.

Depois disso, é só seguir as informações disponíveis no edital do CFS que pode ser encontrado no site do programa.

4. Capes

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) é uma fundação do Ministério de Educação (MEC) e oferece bolsas de estudos para estudantes de pós-graduação que querem estudar no Brasil e no exterior.

 

O Capes para bolsas internas disponibiliza 13 programas que podem beneficiar estudantes que desejam aperfeiçoar seus conhecimentos acadêmicos em instituições brasileiras. Já para o exterior são sete programas voltados ao doutorado e pesquisa científica, assim como as bolsas internas, para complementar a pós-graduação do estudante.

 

Para participar o estudante de pós-graduação deve ficar atento aos editais e portarias disponíveis no site do Capes.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 


DEIXE UMA RESPOSTA