[the_ad_group id="16401"]
Amor e Sexo > Relacionamento

Hashtag #meuamigosecreto denuncia o machismo do dia a dia

Por Redação Doutíssima 26/11/2015

Desde o início desta semana, mulheres têm usado a hashtag #meuamigosecreto nas redes sociais para denunciar atitudes machistas que abordam desde casos de assédio no trabalho a abusos físicos e sexuais. A campanha criada espontaneamente faz alusão irônica à tradicional brincadeira de fim de ano, o amigo-secreto.

O movimento ganhou força principalmente pela passagem do Dia Internacional de Luta pelo Fim da Violência contra a Mulher, comemorado na quarta-feira, 25 de novembro.  

#meuamigosecreto shutterstock doutissima

Milhares de mulheres são agredidas física e emocionalmente todos os dias no mundo. Foto: Shutterstock

As usuárias de redes sociais, como Facebook e Twitter, compartilham suas próprias histórias e fazem alertas contra homens que se dizem contra abusos, mas se valem da militância e eventos feministas para conquistar mulheres.

Paralelamente, homens e mulheres incomodados com os comentários da campanha feminista, criaram a hashtag #minhaamigasecreta e tentam descaracterizar e difamar os desabafos feitos com a hashtag #meuamigosecreto.

 

Figuras públicas como a ex-candidata à Presidência da República Luciana Genro e as deputadas federais Jandira Feghali (PCdoB-RJ), Luiza Erundina (PSB-SP) e Margarida Salomão (PT-MG) participaram da campanha denunciando o machismo cotidiano vivenciado na política.

Já Danilo Gentilli, Rafinha Bastos e outros famosos tiveram suas frases e atitudes machistas veiculadas para que ninguém esqueça que celebridades e formadores de opinião também podem disseminar a cultura da violência contra a mulher através de piadas preconceituosas.

#meuamigosecreto e a briga entre marido e mulher

De acordo com a Secretaria de Políticas para as Mulheres, em 2013 foram registrados 13 feminicídios por dia. O Brasil ocupa a 5ª posição no ranking de homicídios femininos, com uma taxa de 4,8 assassinatos por cada 100 mil mulheres.

meuamigosecreto facebook reproducao doutissima

Usuários usaram a hashtag #meuamigosecreto para denunciar atitudes machistas. Foto: Facebook, Reprodução

Segundo a última pesquisa divulgada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a Lei Maria da Penha ajudou a diminuir em 10% a taxa de homicídios domésticos quando comparada ao levantamento de 2006.

 

Ainda sim, a violência contra a mulher atinge números inaceitáveis e campanhas como #meuamigosecreto e #meuprimeiroassedio invadem a internet e se fazem necessárias. A persistência desse tipo de violência é explicado pela assistente social Michelle Dias, membro da Comissão de Instrução do Conselho Regional de Serviço Social de São Paulo (CRESS-SP). 

 

“A Lei Maria da Penha é uma normativa completa, que abraça desde a esfera protetiva, de punição, até a reeducação dos homens que cometem agressão e a prevenção dos crimes domésticos”, avalia. “Ainda assim, o fenômeno da violência contra a mulher persiste, agravado pela estrutura da nossa sociedade”, lamenta Michelle. 

meuamigosecreto twitter reproducao doutissima

Campanha também conquistou espaço no Twitter e figurou entre os assuntos do momento. Foto: Twitter, Reprodução

Todos contra o machismo nosso de cada dia

Atitudes em prol da integridade da mulher estão saindo do papel e da internet. Desde 2005, o governo federal disponibilizou o Ligue 180, uma Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência, que funciona 24 horas de segunda a segunda, inclusive em feriados. Essa central recebe ligações de qualquer lugar do Brasil e mais 16 países.

Atualmente o País conta com 464 delegacias especializadas em atendimento à mulher, 165 centros de referência, 72 casas-abrigo, 58 Defensorias e 21 Promotorias especializadas.

Em 2014, a ONU Mulheres lançou a campanha #HeForShe, que visa unir homens e mulheres em prol da igualdade de gênero e econômica. A embaixadora da boa vontade dessa ação é a atriz Emma Watson.

“Os países têm a obrigação de combater a violência contra a mulher. Mas também precisamos mudar atitudes”, alertou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, no dia de lançamento da campanha, ressaltando que uma em cada três mulheres é vítima de algum tipo de violência no mundo.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]