[the_ad_group id="16401"]
Especialidades > Saúde > Slider Home

Relação entre zika e microcefalia é comprovada nos EUA

Por Redação Fortíssima 15/04/2016

Depois de meses de especulações, a relação entre zika e microcefalia foi confirmada. Através de um estudo publicado no periódico científico The New England Journal of Medicine, pesquisadores do órgão de controle epidemiológico dos Estados Unidos atestaram a associação.

Por meio de critérios de medicina já estabelecidos, os cientistas analisaram as principais pesquisas conduzidas até o momento e apontaram que há evidências suficientes para constatar a correlação.

Sem dúvidas o zika vírus pode ter comprometimento no desenvolvimento cerebral, na má-formação e no abortamento”, concorda o ginecologista e obstetra Alberto Guimarães, que comenta mais sobre o assunto.

Relação entre zika e microcefalia é confirmada

Com a confirmação, as grávidas devem ter cuidado redobrado com o mosquito. Foto: iStock, Getty Images

Entenda como foi verificada a relação

Segundo Guimarães, a participação dos cientistas brasileiros na comprovação de que o zika vírus está associado à microcefalia foi fundamental. “Quando as pesquisas de Pernambuco apontaram a ligação por meio do líquido amniótico, já começava uma descoberta inédita em relação à saúde pública e mundial”, diz.

O especialista enfatiza que a atuação de laboratórios americanos para constatar a ligação ocorreu a partir dos levantamentos iniciais dos pesquisadores no Brasil. Isso demonstra a importância e a qualidade dos cientistas daqui. Ele também explica o mecanismo utilizado para afirmar a relação entre o zika e a microcefalia.

 “A presença de partículas de vírus no sangue é precoce, somente nos primeiros 14 dias da infecção. Depois, não há mais como constatar a contaminação”, ressalta. Por isso, foi necessária a utilização de um exame específico de pesquisa: o RT-PCR. Ele aponta uma partícula que só pode ser encontrada em pessoas infectadas pelo zika.

Para o médico, toda essa movimentação da comunidade médica e científica refletirá na questão da saúde no Brasil, especialmente no entendimento de que o zika vírus é uma doença grave e que o Aedes aegypti precisa ser combatido.

“Entender que ele não é restrito à classe social menos favorecida e que as pessoas podem ser acometidas em outras regiões vai reforçar a importância do investimento em saúde, educação e prevenção”, completa.

Além disso, não se trata de um problema que afeta apenas o Brasil. Já existem relatos de mais de 40 países acometidos. Ou seja, o assunto ainda deve ser alvo de diversas pesquisas mundiais.

A próxima etapa para os cientistas, portanto, será investigar quais são as outras alterações cerebrais ocasionadas pelo zika que podem afetar o desenvolvimento cognitivo, o pensamento e a inteligência das crianças.

Relação entre zika e microcefalia aumenta o alerta

Com a comprovação de que o zika vírus e o surto de microcefalia estão ligados, as gestantes devem ter cuidado redobrado. Além disso, o momento também é propício para a contaminação por síndromes respiratório e a gripe H1N1, lembra o médico. 

“A grávida faz parte de um grupo de risco. Quando ela é comprometida por alguma dessas doenças, a chance de complicações é muito maior do que para o restante da população”, destaca. Daí a importância de  manter um acompanhamento médico frequente, para monitorar quaisquer alterações na saúde.

Conseguiu entender a relação entre zika e microcefalia? Deixe o seu comentário. Também aproveite para conferir tudo o que rola no  Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]