Que a exposição solar pode danificar a pele e até favorecer o surgimento de doenças como o câncer você já deve estar cansado de ouvir. Mas com a proximidade do inverno, é importante reforçar que a estação também exige cuidados para preservar a derme diante dos raios ultravioleta.

A dermatologista Claudia Marçal lembra que radiação UV é causadora de fotoenvelhecimento, degeneração das fibras de colágeno e manchas. “Para as peles de fototipo I e II, que são as mais claras, o fator de proteção solar (FPS) deve ser acima de 50”, reforça.

exposição solar
Bloqueador solar também deve ser aplicado no dorso das mãos. Foto: iStock, Getty Images

Por que a exposição solar é nociva?

Quando ocorre a exposição solar, conforme explica Claudia, antes mesmo de percebermos o eritema (vermelhidão ou o rosado causado pelo sol), a pele já está sofrendo danos e processos oxidativos. Ou seja, na fase pré-eritematosa (antes da vermelhidão), já inicia o fotoenvelhecimento.

“Nós temos uma radiação ultravioleta A que, na verdade, atinge a derme profunda. Ela passa a epiderme e a camada basal onde estão as células produtoras de melaninas e causa um processo de desarranjo, de desestruturação das fibras do colágeno”, esclarece a especialista.

A dermatologista reforça que, já nessa fase pré-eritematosa os danos são significativos, pois há uma alteração irreversível no DNA das células afetadas. Ao longo do tempo, com o efeito cumulativo da falta de proteção adequada, o dano é potencializado.

O fotoenvelhecimento, porém, é apenas um dos problemas decorrentes da exposição solar. “Sabemos que ela também causa alterações nas substâncias do melanócito, que é a célula protetora da cor. O melanoma, um câncer de pele extremamente agressivo, é oriundo da ação dos melanócitos alterados”, expõe.

A longo prazo, o sol excessivo também contribui para o surgimento de flacidez e rugas. De maneira imediata, ele favorece ainda o processo de formação de manchas na pele. Com o uso do protetor solar, por exemplo, muitos desses danos poderiam ser evitados.

Dicas para preservar o corpo da exposição solar

Para quem quer ficar longe dos danos da exposição solar, a primeira dica é não deixar de usar um protetor adequado ao seu tipo de pele. Mas atenção, a dica não vale apenas para os momentos em que você está na praia ou na piscina. Seja inverno ou verão, o produto requer uso diário. 

“Mesmo em um dia 100% encoberto, 70% da radiação solar ainda está presente”, afirma. Por isso, a especialista lembra que é importante o uso de FPS 50 para as peles mais claras e FPS 30 para as peles mais morenas.

Dentro de ambientes fechados onde há luzes, ela lembra que o filtro solar deve ser reaplicado a cada quatro horas. Em ambientes abertos, a cada duas. A especialista enfatiza ainda a importância de proteger as mãos e a região do pescoço. Ou seja, qualquer parte do corpo que esteja muito exposta.

E aí, anotou as dicas? Deixe o seu comentário! Proteger a sua pele da exposição solar ainda é a melhor forma de evitar problemas mais tarde.