Enfermidades que podem interromper o sonho da gravidez geram apreensão às mulheres. A endometriose entra nessa categoria. A doença inflamatória se caracteriza quando o endométrio (tecido que reveste o interior do útero) fica fora da cavidade uterina e pode gerar infertilidade.

Segundo dados da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), a endometriose afeta sete milhões de brasileiras. Isso representa 15% das mulheres em fase reprodutiva. O diagnóstico tardio e a falta de conhecimento sobre a doença prejudicam ainda mais as chances de gravidez. Por isso, é preciso ter atenção aos sintomas.

Conheça os sintomas da endometriose

Há diferentes formas da endometriose se manifestar: o endométrio pode se acomodar no peritônio, em outros órgãos da pele (trompas e ovários) e até nos intestinos e na bexiga. Identificar quando há algo errado é uma tarefa que exige atenção aos sintomas, que muitas vezes são ignorados.

Entre os indícios é possível citar dor durante as relações sexuais, cólica menstrual intensa, alterações no hábito intestinal (diarreia ou obstipação) e dificuldade para engravidar. É importante destacar que a doença acomete mulheres a partir da primeira menstruação e pode se estender até a última.

O que ocorre é que, mensalmente, o endométrio fica mais espesso para que um óvulo fecundado possa se implantar nele. Quando não há gravidez, o tecido que aumentou descama e é expelido na menstruação.

Em alguns casos, um pouco do sangue migra no sentido oposto e cai nos ovários ou na cavidade abdominal, causando a lesão endometrióticaO diagnóstico de endometriose costuma ocorrer por volta dos 30 anos.

Mas ao identificar rapidamente os sintomas, já existem opções terapêuticas para o tratamento, como a intervenção oral com progestágeno. Controlar a doença é uma alternativa para melhorar o bem-estar diário e possibilitar uma gravidez com tranquilidade.

Endometriose
Endometriose é uma doença inflamatória do tecido que reveste o útero. Foto: iStock, Getty Images

Tratamento da endometriose

O ginecologista é quem indica o melhor tratamento para endometriose, dependendo da gravidade de cada caso em particular. A partir de exames de imagem, o especialista irá definir se é necessária uma intervenção cirúrgica chamada de laparoscopia. O objetivo é remover a endometriose e até complicações proporcionadas por ela, como cistos.

Em alguns casos, é possível contornar o problema com medicamentos orais, como analgésicos e anti-inflamatórios. Caso a paciente deseje engravidar, poderá ser indicado o encaminhamento a uma clínica de reprodução assistida. Para as portadoras da doença, a fertilização in vitro é uma das melhores alternativas para as chances de sucesso.

Ainda não se sabe a causa exata da endometriose – estima-se que em 51% dos casos há um fator genético relacionado. Mas o padrão de vida atual da mulher, que envolve engravidar mais tarde e se submeter a um maior nível de estresse, também já foi relacionado com o problema.

O mais importante ao identificar quaisquer sintomas é buscar auxílio médico. Quanto mais tarde for diagnosticada a doença, maior o comprometimento das trompas, responsáveis por conduzir o óvulo ao útero