[the_ad_group id="16401"]
Saúde

O que você precisa saber sobre o transplante de córnea

Por Redação Doutíssima 11/12/2014

Realizado cada vez com mais frequência, o transplante de córnea é uma cirurgia que consiste em substituir uma porção da córnea doente, de forma total ou parcial, por uma córnea doadora saudável.

 

O procedimento tem como objetivo melhorar a visão do paciente ou corrigir quadro de perfurações oculares que ponham em risco a perda anatômica e funcional do olho. A principal causa de transplante de córnea no Brasil é o ceratocone, uma doença degenerativa progressiva da córnea que ocorre em uma a cada 20 mil pessoas.

transplante-de-cornea

Ceracotone é a maior causa do procedimento no Brasil. Foto: iStock, Getty Images

Indicação do transplante de córnea

 

A córnea é uma estrutura transparente localizada na parte anterior do globo ocular, ou seja, na superfície do olho. Assim sendo, a córnea saudável deve permitir a passagem de luz por meio dela. No caso de ela perder sua transparência, o indivíduo sofrerá um leucoma corneano, que pode prejudicar a visão.

 

Além de ser transparente, a córnea normal apresenta uma curvatura capaz de ajudar na formação da imagem na retina ocular, sendo que qualquer alteração nesta curvatura também prejudicará a visão.

 

O transplante de córnea é indicado quando uma destas características é perdida, seja a transparência, a curvatura ou a regularidade. Além disto, ela é necessária em casos de cicatrizes pós-trauma ou infecção (leucoma), edema de córnea (ceratopatia bolhosa), queimaduras químicas ou térmicas, ceratocone e distrofias.

 

Atualmente, existem diversos tipos de transplante de córnea, sendo que cada um deles traz vantagens e desvantagens específicas. Os transplantes penetrantes, por exemplo, são aqueles que substituem toda a espessura da córnea, enquanto que os transplantes lamelares substituem apenas uma porção da córnea.

 

Com base nisto, caberá ao médico estudar cada caso em particular para decidir qual o melhor procedimento de transplante a ser adotado.

 

Geralmente realizado com anestesia local ou geral, o transplante de córnea pode exigir a aplicação de sutura. A medida é mais comum no transplante penetrante. Já os transplantes lamelares podem ser feito sem a necessidade de pontos. No entanto, isto dependerá da técnica cirúrgica escolhida pelo médico.

 

Avanços no transplante de córnea

 

O transplante de córnea lamelar não exige mais a preocupação que havia com possíveis traumatismos que pudessem surgir nos três meses em que os pacientes submetidos ao transplante convencional poderiam vir a sofrer. Neste procedimento não existem pontos ou curativos.

 

Além disto, esta mesma precisão cirúrgica é utilizada na retirada da córnea do doador, o que vai possibilitar que uma só córnea seja aproveitada por até duas pessoas que aguardam por um transplante.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]