Gestante

Desvendamos os Top 7 Mitos da gravidez

Por Redação Doutíssima 15/01/2014

Quando você está grávida, é provável que você escute muitos boatos por aí- alguns dos quais chegam até ser engraçados. Entre eles: barriga alta significa uma menina, barriga baixa significa que é um menino. ( Claro que é bobagem, mas pense que as nossas antepassadas não tinham ultra-som) Mas nem todos os mitos da gravidez são divertidos. Alguns são preocupações desnecessárias, enquanto outros podem apresentar complicações de saúde reais para a mãe ou o bebê.

Mito: Não tomar vacina da gripe Exatamente o oposto. “Vacinação contra a gripe é muito importante”,  diz o professor clínico de medicina da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill. Algumas mulheres grávidas acham que a vacina, na verdade, pode dar-lhes gripe. Outras temem que conservantes presentes na vacina pode prejudicar seu bebê que está para nascer. Mas uma injeção de gripe não vai dar gripe às mulheres, diz Chescheir, nem há qualquer evidência de que a vacina contra a gripe prejudica fetos. Em vez disso, a vacina contra a gripe pode ser um salva-vidas para a mulher grávida. A gravidez altera o sistema imunológico da mulher, coração e pulmões, tornando-a mais vulnerável à obtenção de um caso grave de gripe.  Mas obtenha a vacina contra a gripe ( contendo vírus mortos) , e não a vacina de spray nasal ( contendo vírus enfraquecidos ainda vivos).

Mito: comer por dois Você está dobrando as porções de salada de batata ou sorvete? Não tão rápido assim! Sim, você está comendo por dois – mas isso não significa que duas porções de tamanho adulto são necessárias. A mulher média com um peso pré-gestacional normal precisa apenas cerca de 300 calorias extras por dia para promover o crescimento do seu bebê, de acordo com o Congresso Americano de Obstetras e Ginecologistas. Isso é aproximadamente o número de calorias em um copo de leite desnatado e metade de um sanduíche. Uma mulher de peso normal deve ganhar de 11 a 15 quilos durante a gravidez – menos se ela estiver acima do peso. É difícil perder os quilos extras após o nascimento, diz Chescheir. E com cada gravidez subsequente, uma mulher pode se tornar ainda mais pesada. Além disso, mulheres que ganham mais de 20 quilos quando elas estão carregando apenas uma criança, têm um maior risco de uma cesariana ou um parto vaginal difícil, diz Chescheir.

Mito: Evite tinturas de cabelo Não há necessidade em deixar as madeixas de outra cor à mostra. Os produtos químicos de tinta para o cabelo, permanentes e relaxantes são absorvidos através da pele apenas em quantidades mínimas, que não são prejudiciais. “Nós não acreditamos que haja qualquer risco fetal a partir de tinturas de cabelo”, diz chescheir. Mas os fortes odores dos produtos de tratamento de cabelo fazem com que algumas mulheres grávidas sintam náuseas. Portanto, use-os em um ambiente bem ventilado com um ventilado se for preciso, diz ela.

Mito: diga não à cafeína Você ama a sua caneca de café da manhã? Muitas mulheres grávidas não conseguem viver sem, mas muitas vezes elas são avisadas para deixar a cafeína de lado durante esse período, pois pode causar aborto, parto prematuro ou baixo peso ao nascer. Mas os dados contra a cafeína não são fortes. “Não parece haver nenhuma relação entre o consumo de cafeína e parto prematuro”, diz Chescheir. Além disso, se uma mulher grávida bebe menos de 200 miligramas de cafeína por dia- a quantidade média de uma xícara de café – não há nenhuma evidência clara de que ela enfrenta qualquer risco aumentado de aborto ou baixo peso ao nascer. Portanto, seja prudente, diz Chescheir. Aproveite o seu cafézinho, mas fique dentro do limite permitido por dia.

Mito: voar pode aumentar o risco de complicações Máquinas de raiox X de segurança, scanners corporais, radiação de voar em altas altitudes – pense sobre tudo isso e logo a sua vontade de viajar vai desaparecer. Mas não se preocupe com as pequenas quantidades de radiação que as mulheres grávidas podem encontrar ao passar por ou através uma máquina de raio X do aeroporto ou voando em altitudes elevadas, diz Chescheir. “Ficamos expostos à radiação o tempo todo no chão, e, certamente, voando aumenta um pouco. Mas o tipo de radiação que você está exposto durante uma viagem aérea não tem muita penetração no corpo, por isso é muito improvável causar uma exposição fetal.” Nem os scanners corporais são perigosos. “É uma quantidade muito pequena de radiação e é extremamente improvável que cause qualquer tipo de efeitos fetais”, diz Chescheir. Se você estiver planejando voar em seu último trimestre, verifique com sua companhia aérea sobre quaisquer restrições. “A maioria das companhias aéreas ficam preocupados em você dar a luz no caminho”, diz Chescheir.

Mito: mantenha o peixe longe do prato Comer duas porções de peixe por semana pode ser saudável para a mãe e o bebê. Peixes de água fria em particular contém grande quantidade de ômega-3 ácidos graxos, que ajudam com o desenvolvimento do cérebro do seu bebê e visão. Você deve tentar evitar os peixes ricos em mercúrio, como o peixe-espada, tubarão,etc, diz Chescheir. Salmão, camarão e atum enlatados são as melhores escolhas. Pule o peixe cru também, incluindo o sushi e o sashimi. É mais provável que ele contenha parasitas e bactérias do que o peixe cozido. Você pode, no entanto, comer sushi cozido.

Mito: diga não ao sexo   Sim, você ainda pode fazer sexo quando você está grávida. Sexo não vai machucar fisicamente o bebê, que está totalmente protegido pelo saco amniótico e fortes músculos uterinos. Um tampão de muco espesso também sela o colo do útero. Mas você ainda precisa tomar cuidado com as infecções sexualmente transmissíveis – gravidez não protege contra isso. Se você pegar herpes, verrugas genitais, clamídia, ou HIV, a doença pode ser transmitida para o bebê também. Algumas mulheres se perguntam se um orgasmo pode causar um aborto. Se você tem, uma gravidez normal de baixo risco, não se preocupe: contrações de orgasmo são completamente diferentes, do tipo que está associado com o trabalho. Verifique com seu médico para ter certeza de que sua gravidez é de baixo risco. O seu médico pode aconselhar contra a relação se há alguma ameaça de aborto ou parto prematuro ou se há hemorragia vaginal inexplicada durante a gravidez.


Sites parceiros