Guia do Câncer > Saúde

Comer vegetais e legumes todos os dias pode prevenir câncer de mama, aponta estudo

Por Debora Stevaux 06/08/2018

Comer, diariamente, mais de cinco porções de frutas e vegetais reduz em 11% as chances das mulheres desenvolverem câncer de mama, principalmente dos tumores mais graves. É o que mostra uma pesquisa realizada por cientistas da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos e divulgada no periódico científico Journal of Cancer, em julho deste ano.

Estudo recente realizado pela Universidade de Harvard apontou que ter uma alimentação saudável reduz em 11% as chances de desenvolver câncer de mama. (Foto: iStock)

Segundo o estudo, quem ingere menos de duas porções diárias desses alimentos está mais suscetível a desenvolver células cancerígenas nas mamas. O estudo ainda sugere a ação benéfica de alguns vegetais e frutas em específico, são eles: os de cor verde escura como o brócolis e os vegetais de tons amarelados e alaranjados.

Por muito tempo, os cientistas tinham apostado na ação das fibras contra o câncer, mas essa nova pesquisa aponta que boa parte do poder preventivo está nos antioxidantes e micronutrientes dos alimentos. Participaram da pesquisa cerca de 180 mil mulheres que detalharam seus hábitos alimentares, para efeito comparativo dos pesquisadores, durante 37 anos.

Ação oferece congelamento de óvulos para mulheres com câncer

“Esse é o maior e mais completo recorte da importância da alimentação saudável na prevenção de câncer no caso do público feminino”, conta Maryam Farvid, uma das cientistas que integra o departamento de nutrição da instituição, que se debruça sobre o tema desde a década de 80.

A importância do diagnóstico precoce

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), a variação da doença que atinge as mamas é a mais comum entre mulheres, tanto no Brasil, quanto no mundo. A estimativa é que, anualmente, o câncer de mama some 28% de novos casos. Essas estatísticas são válidas apenas se não considerarmos o câncer de pele não melanoma.

A principal forma de diagnosticar o câncer de mama é através da mamografia. O exame não-invasivo é capaz de capturar imagens do seio feminino e apontar para a possível existência de tumores ou anormalidades. De início, a câncer de mama não apresenta nenhum sintoma, por isso é uma doença tão perigosa.

Dados apontados pelo INCA sugerem que, quando diagnosticada precocemente, a paciente portadora da doença tem 88,3% chances de sobreviver. A questão é que há discrepância sobre a idade necessária para fazer o exame pela primeira vez. Se alguns ginecologistas indicam fazê-la com quarenta anos, com o aval da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) e da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo),  o INCA costuma indicar a faixa etária entre os 50 aos 69 anos.

Câncer de mama inflamatório: Tipo raro ataca a pele

Como fazer o exame de mama

A mamografia deve ser feita anualmente ou a cada dois anos, caso não haja nenhuma alteração. Existe também o autoexame das mamas que pode e deve ser realizado com uma regularidade maior e também funciona como um alerta para o diagnóstico definitivo.

Confira abaixo o passo a passo para realizá-lo:

  1. Em frente ao espelho, observe os dois seios, primeiramente, em posição de repouso, com os dois braços para baixo.
  2. Coloque as duas mãos na cintura e faça um pouco de força, observe se há alguma alteração.
  3. Depois, posicione ambas atrás da cabeça e confira a posição, tamanho e forma dos mamilos.
  4. Apalpe os seios e sinta se há algum nódulo ou qualquer outro tipo de alteração.
  5. Pressione os dois mamilos com leveza e veja se há saída de alguma secreção.
  6. Se notar alguma irregularidade, procure um ginecologista e de acordo com as suas orientações agende a mamografia.

Consumo de gengibre pode ajudar a tratar câncer de mama


Sites parceiros