Psicologia

Angústia é considerada doença e pode ser tratada

Por Redação Doutíssima 03/03/2015

A angústia é facilmente confundida com ansiedade e também com medo. Mas afinal, o que é esse sentimento? É um sofrimento diretamente relacionado com o presente, com alguma situação que está acontecendo no exato momento que esse sentimento se manifesta.

angustia

Sensações de aflição e agonia caracterizam doença confundida com ansiedade e medo. Foto: iStock, Getty Images

Entretanto, os sintomas apresentados por essa doença silenciosa são confundidos com outras doenças de características muito semelhantes, como síndrome do pânico e depressão.

Características da angústia

Mas então como diferenciá-la das demais doenças? Pelo relato dos pacientes. Alguns informam que sentem uma agonia, aflição desencadeada sem motivo aparente. Também existe sensação de sufocamento semelhante ao da asma e o desconforto físico na região do peito.

Muitas pessoas, devido a esse sentimento agoniante, afastam-se das demais, isolando-se no próprio mundo na tentativa de se afastar da sensação de angústia.

Os indivíduos que apresentam essa doença tendem a viver em constante conflito com a sua existência e em situações que muitas possibilidades de escolhas se apresentam ao longo do dia.

É estressante e cansativo conviver com esse sentimento que aflige tanto o lado psíquico quanto o físico do indivíduo. Em muitos casos, a angústia pode levar a paralisações, pois o indivíduo perde a capacidade de análise e decisão.

Existe uma sensação constante de insegurança e desamparo. A pessoa que sofre com esse sentimento constante não sabe lidar com a liberdade de tomar suas próprias decisões.

Como identificar a doença causada pela angústia?

É importante procurar um médico assim que perceber que esse sentimento de aflição impede você de realizar a sua rotina do dia a dia. O diagnóstico só pode ser feito por um profissional da área da saúde mental.

Procure um psicólogo e relate seus sentimentos e em quais situações se manifestam. É essencial para o diagnóstico que o paciente demonstre como se sente nos mínimos detalhes.

Muitas pessoas apresentam ainda uma crescente evolução do quadro de angústia ao longo da vida e, nesse casos, o tratamento é imprescindível. Não tenha vergonha de procurar ajuda e lutar contra essa doença silenciosa.

Não deixe para procurar ajuda somente quando os sintomas da angústia se tornam físicos e quase insuportáveis.

Fique atento, pois quando o psicólogo não consegue identificar a doença, torna-se necessário a consulta a um psiquiatra. Esse profissional não trata somente “loucos”. O psiquiatra trata pessoas através da indicação de medicamentos, com problemas específicos os quais esse indivíduo não tem, no momento, capacidade de encontrar uma solução sozinho.

Um dos medicamentos mais utilizados no tratamento para controlar essa doença é a imipramina, que atua de forma modeladora das emoções humanas.

A sensação de “beco sem saída” é constante nos pacientes que sofrem com as situações que desencadeiam esse sentimento aflitivo. É importante que a família apoie esse indivíduo para que ele tenha força para superar essa doença.

 

Procurar ajuda é o primeiro passo em direção à cura. No tratamento com psicólogo e psiquiatra, é trabalhada a reflexão sobre a forma de pensar e agir do paciente diante de situações de conflito onde há múltiplas escolhas.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


Sites parceiros