Saúde

Caxumba merece cuidado, pois pode causar surdez

Por Redação Doutíssima 04/03/2015

A caxumba é uma doença viral aguda, transmitida pelo contato com a saliva de pessoas infectadas com o vírus Paramyxovirus. Mesmo sendo possível de prevenção através da vacina tríplice viral, a doença ainda está presente no Brasil.

caxumba

Dores de cabeça, calafrio e febre podem ser sintomas de uma doença viral aguda. Foto: iStock, Getty Images

A doença não mata, mas pode provocar surdez, devido ao inchaço das glândulas salivares próximas aos ouvidos, e também infertilidade, pois pode causar inflamação nos testículos e nos ovários.

 

Sintomas da caxumba

 

Os primeiros sintomas da caxumba são dores de cabeça, calafrios, febre, dores musculares, ao mastigar e engolir, além de fraqueza. O inchaço do rosto, principalmente na região do pescoço, é uma das principais características da doença.

 

Isso acontece devido ao aumento de tamanho das glândulas produtoras de saliva, que ficam na parte de trás das orelhas.  E, como o vírus fica alojado no mesmo espaço que a saliva, por isso a transmissão ocorre pelo espirro, tosse ou fala.

 

A transmissão de uma pessoa para outra acontece nos primeiros dois dias antes do início do edema nas glândulas salivares e pode acontecer até nove dias depois.

 

O período de incubação da doença pode durar até três semanas. O primeiro semestre do ano é onde se concentram o maior número de casos da doença.

 

Complicações possíveis da caxumba

 

Cerca de 40% das pessoas infectadas não têm os sintomas clássicos da doença, o que merece atenção e a busca por um médico se houver dor ao tocar o pescoço.

 

A surdez é uma complicação possível quando não há cuidado adequado com a evolução da doença. Por se tratar de um vírus, é preciso esperar o tempo de ação do Paramyxovirus, que dura cerca de duas semanas.

 

Neste período, o médico pode receitar medicamentos apenas para amenizar os sintomas secundários, como febre e dores musculares. Observar o surgimento de novos sintomas, como perda auditiva é importante e, ao primeiro sinal, volte ao médico.

 

Quando o contágio por caxumba é na adolescência ou na vida adulta, é preciso ficar atento à possibilidade de complicações em outras áreas do corpo, que não a das glândulas salivares.

 

Em 30% dos casos, a doença pode se manifestar como orquite, que é a inflamação e inchaço doloroso dos testículos, ou ooforite, a inflamação dos ovários, ambas as situações podem provocar infertilidade.

 

Em casos raríssimos, a doença causa meningite e atinge o Sistema Nervoso Central, podendo levar à morte. Por isso, é indispensável o acompanhamento médico ao longo de toda a evolução dos sintomas.

 

Como prevenir a doença

 

A  doença  tem prevenção. A vacina tríplice viral, que protege contra o sarampo, a rubéola e a caxumba, faz parte do Calendário Nacional de Vacinação oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Ela deve ser feita no primeiro ano de vida da criança e uma segunda dose, exclusivamente, aos 15 meses de idade.

 

Caso a pessoa tenha sido infectada pelo vírus da caxumba, algumas medidas de prevenção são necessárias para que a doença não se propague.

 

Assim que descoberta a doença, a pessoa deve ficar afastada do trabalho ou escola por, pelo menos, nove dias. Em casa, deve ficar isolada e os objetos usados por ela devem ser desinfetados para que não haja contato com secreção.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


Sites parceiros