[the_ad_group id="16401"]
Filhos > Gravidez e Filhos

Seu filho tem poucos amigos na escola? Veja como ajudá-lo

Por Francine Costanti 02/01/2020

Crianças tímidas ou mais introvertidas podem enfrentar alguns desafios ao ingressarem na vida escolar, como fazer amigos, por exemplo. Se você sente que seu filho está enfrentando o problema, aparenta estar isolado, quieto e sem companhia para brincar, é preciso atenção. 

Conversamos com a Dra. Deborah Moss, neuropsicóloga especialista em psicologia do desenvolvimento da Universidade de São Paulo (USP), que aponta algumas causas da dificuldade para fazer amigos e também dá dicas de como os pais podem ajudar.

Fortíssima: Por que algumas crianças têm dificuldade para fazer amigos na escola? 

Dra. Deborah Moss: A dificuldade para fazer amigos na escola pode acontecer por vários fatores. Um dos principais é se a criança for tímida e tiver bloqueios em se comunicar e se apresentar às pessoas. Muitas vezes o problema pode estar no grupo de crianças que já está formado e, se um novo coleguinha aparece, pode ter mais dificuldade de se integrar. Com tudo isso, a criança acaba se sentindo acanhada e é deixada de lado. 

Férias escolares: Veja dicas de atividades para fazer com os filhos em casa

O que fazer se meu filho é tímido para fazer amigos?

Se a criança for tímida, os pais e professores podem tentar ajudar numa mediação, entrando junto na escola e aproximando-a de outras crianças, mas sem pressão. É importante não expor a criança na sua timidez e ajudá-la com estratégias para que consiga aos poucos se integrar às atividades escolares de uma forma mais ativa.

É importante que os pais mantenham o diálogo com o filho?

Com certeza. Faz toda a diferença manter esse diálogo com o filho para saber o que acontece na escola e também ter uma boa comunicação com a escola para saber como seu filho se comporta nesse ambiente. 

O que fazer se a criança não quiser participar de atividades sociais na escola?

É preciso ter cuidado de não agir com muita pressão ou imposição. Se no começo a criança prefere fazer as coisas sozinha até que fique à vontade, é importante respeitar isso. O papel da escola e da família é de incluí-la nesse ambiente sem forçar nada. Indico para os pais não serem extremistas: se a criança está receosa, com dificuldades de comunicação e do nada alguém decide jogá-la no meio de um novo grupo isso não fará efeito. A dica é ir aproximando seu filho de uma ou outra criança, mas tudo tem que ser feito no tempo dela. 

autista

Se a criança for tímida pode ter dificuldades e bloqueios para se comunicar e se apresentar às pessoas. Foto: iStock

Quais atividades na escola são mais indicadas para uma criança com dificuldade para fazer amigos?

O mais indicado para essas crianças são atividades mais livres, mais lúdicas, como artes, esportes, ações que não exijam tanto delas no sentido acadêmico e que deem mais ênfase para algo mais tranquilo e natural. Um momento ideal para que ela se aproxime dos coleguinhas é a hora do recreio, em que está solta e mais isolada. Nessa hora, o professor ou um auxiliar pode juntá-la a outras crianças de uma forma menos direcionada.    

Os pais devem evitar dar notebook e celular para os filhos?

Sim, porque isso vai contra todo o processo de socialização. Se a criança não tem amigos e a família ainda estimula o uso de eletrônicos, que justamente promove um afastamento e colabora para que ela fique ainda mais sozinha, não vai ajudar em nada. Ao contrário disso, a família precisa promover atividades em que ela tenha a chance de manter contato com o mundo exterior de uma forma tranquila, leve, espontânea e sem grandes pressões. 

Veja maneiras de estar mais presente na vida escolar do seu filho

Quando pode ser sugerido tratamento psicológico para a criança? 

Tratamento psicológico só é indicado quando há um sofrimento. Muitas vezes há uma expectativa da família, que espera que a criança seja super sociável, comunicativa, líder, que tenha muitos amigos, mas ela não necessariamente tem esse perfil. Para algumas, basta ter apenas um amiguinho ou dois, no máximo. Agora, se os pais percebem que o filho sofre com isso, que faz esforço para se enturmar, se demonstra que quer ter novos amigos e está com dificuldades de relacionamento, aí sim vale a indicação – e quanto mais cedo, melhor.


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]