Saúde Mental

Entenda como a hiperatividade afeta o dia a dia do seu filho

Por Redação Doutíssima 08/11/2014

Elas são agitadas, inquietas, bagunceiras, barulhentas e não conseguem sossegar por muito tempo. As crianças com hiperatividade costumam ter os pais sempre atrás delas, tentando controlá-las. Essa tarefa não é fácil, e por isso é preciso buscar ajuda.

hiperatividade

Lidar com crianças que sofrem do distúrbio exige paciência. Foto: iStock, Getty Images

Hiperativos costumam ter diversas dificuldades no dia a dia, o que faz com que eles possam se tornar adultos frustrados e depressivos. A hiperatividade pode ser caracterizada por uma energia em excesso, seja física ou mental, quando os órgãos e as glândulas do corpo trabalham demais.

O transtorno, no entanto, tem solução. Além de medicamentos específicos (como psicoestimulantes e anti-depressivos), que podem ser receitados por um médico após o diagnóstico, os pais devem criar uma rotina saudável de atitudes que auxiliam no controle dos filhos.

Costumes de quem sofre com hiperatividade

Crianças hiperativas costumam se machucar mais, seja por esbarrarem em móveis e pessoas ou por não enxergarem aonde andam, tropeçando ao pular, correr ou saltar. Não fazem as refeições com calma, ficam agitadas durante o sono e, até mesmo, fazem xixi na cama.

Não conseguem manter a calma, têm dificuldade na escola por não conseguirem prestar atenção nem se concentrar. São prejudicadas por não realizarem as atividades por completo e brincarem de maneira perigosa, geralmente correndo.

Além disso, seu raciocínio é muitas vezes falho por não conseguirem organizar o pensamento e, inclusive, a fala. Como consequência, elas podem ter pouca habilidade para fazer trabalhos manuais, apresentar má postura, andar de modo desengonçado e, em alguns casos, apresentar problemas de respiração, como bronquite e asma.

Como lidar com a hiperatividade dentro de casa

Psicólogos defendem a importância de um ambiente familiar tranquilo e organizado para auxiliar no controle da hiperatividade. Algumas medidas podem ser tomadas no cotidiano para complementar o tratamento da doença, que deve ser administrado por um médico especialista.

Entre as atitudes a serem realizadas no lar, está a criação de um cronograma com horários regulares no dia da criança. Isso fará com que ela aprenda a se organizar e tente manter uma “agenda” para suas brincadeiras e atividades.

Organizar um espaço para que ela faça as tarefas da escola bastante limpo e que não ofereça distrações é também crucial para que ela mantenha o foco. Além disso, o silêncio deve prevalecer nos momentos de estudo e de sono.

A hiperatividade requer tranquilidade para ser controlada. Quando falar com seu filho hiperativo, olhe bem nos olhos dele, pois assim ele conseguirá assimilar melhor o que está sendo dito. Além disso, fale pausadamente e não misture muitas informações.

Assim que a agitação começar, dê uma atividade nova para que a criança com hiperatividade tenha uma nova fonte de descoberta e exercício. Fazer com que seu filho brinque com outras crianças e participe de outras experiências de vida, fora de casa, pode ser saudável para que ele valorize a socialização.

Estar em contato com pessoas é fundamental para as crianças. O acompanhamento psicológico, além disso, ajuda a reduzir os sintomas nos hiperativos, sendo recomendável o auxílio de médicos.

 

 


Sites parceiros