Shalla Monteiro decidiu que seu bebê nasceria no conforto de seu lar, cercado de suas coisas e de pessoas que seriam fundamentais a sua chegada. Ela faz parte do número cada vez mais crescente de mulheres que optam por fazerem seus partos em casa, a exemplo de famosas, como a top Gisele Bündchen e a atriz Demi Moore.

Estudos científicos mostram que os partos em casa planejados são tão seguros quanto os realizados em hospital, quando este é assistido por profissional qualificado, a gestação é de risco habitual (normal) e existe um hospital de referência. A afirmação é da enfermeira Mayra Calvette, especializada em Obstetrícia e Neonatologia.

partos em casa
Estudos mostram que partos feitos em casa também são seguros. Foto: iStock, Getty Images

Partos em casa exigem confiança

O mais importante, afirma Mayra, é que a mulher se informe e depois, junto com o companheiro, escolha o lugar onde se sintam mais tranquilos, confiantes e seguros para aguardar a chegada do bebê. Partos em casa podem ser maravilhosos sim, desde que o casal esteja certo de sua escolha e se prepare para isso.

Foi assim que o dia 16 de abril de 2014 se tornou inesquecível para Shalla. Ela preparou o ambiente para receber seu filho. “Eu sempre quis ter parto normal e, ao longo da minha gestação, descobri que o que eu conhecia como ‘normal’ podia ser ainda mais natural, sem nenhuma intervenção (tipo analgesia ou episiotomia) e ainda podia acontecer na minha casa sem eu ter que me locomover até um hospital ou clínica”, conta Shalla.

Segundo Mayra, os estudos também mostram a maior satisfação das mulheres que optam por partos em casa e confirmam a diminuição de intervenções como episiotomia, analgesia, infusão de ocitocina, cesariana e uso de fórceps e vácuo-extrator.

Em um estudo holandês com mais de 679 mil partos, cita Mayra, evidenciou-se uma mortalidade perinatal de 0,15% em partos em casa planejados contra 0,18% em partos hospitalares planejados em parturientes de baixo risco.

Estrutura é simples para partos em casa

Para fazer o parto em casa, Mayra conta que o preparo não é tão complexo. O mais importante é estar confiante. “Pedimos alguns materiais básicos para uso pessoal e se a mulher quiser ter a banheira como recurso, ela providencia alguma que seja mais adequada para o parto. Os materiais de uso profissional devem ser levados pela parteira”, diz a enfermeira.

Mayra ressalta que é mantido um plantão para qualquer eventualidade. Em alguns casos, diz, a mulher tem como back up um hospital de saúde suplementar e médico particular. Em outros, o  back up é um hospital público. “Mas sempre deixamos esse plano B bem claro durante o pré-natal”, afirma.

Sobre a presença de outras pessoas em casa durante o parto, Mayra conta que é algo combinado antes do nascimento do bebê, que devem ser conhecidas antes do procedimento.

“Todas pessoas presentes devem ser a favor e estarem seguras sobre o parto domiciliar. A presença de uma pessoa tensa, com medo e pressionando os profissionais e o casal é muito prejudicial. Então conversamos bastante sobre isso durante a gestação e se for o caso, melhor avisar depois que o bebê nasceu que o parto foi em casa”, conclui Mayra.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


DEIXE UMA RESPOSTA