Gestante

Confira dicas sobre como lidar e enfrentar o medo do parto

Por Redação Doutíssima 26/10/2015

Medo do parto, ou pelo menos um receio, é muito comum no final da gravidez. A ansiedade de ver e tocar o bebê e todo o procedimento que a mãe passa para que isso aconteça é um momento muito aguardado e toda essa expectativa gera alguns anseios.

Entenda o medo do parto

Segundo José Geraldo Lopes Ramos, médico do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, o maior receio das mães em relação ao parto é a imprevisibilidade do que vai acontecer. “Vivemos hoje em um mundo onde as pessoas programam quase tudo e todos querem ter controle das situações. Esperar para ver o que vai acontecer é desesperador para muitas pessoas”, afirma.

medo-do-parto-doutissima-istock-getty-images

Sentir medo do parto é um sentimento comum para a maioria das mulheres. Foto: iStock, Getty Images

Outro motivo apontado pelo especialista é o medo da dor. Ele explica que isso é muito relativo e que varia de mãe para mãe. “A boa notícia é que é possível ter um parto muito tolerável através do uso de técnicas de analgesia durante o trabalho de parto”, diz.

O médico ainda lembra que há mitos envolvidos com o momento do parto, um deles de que o nascimento pode causar problemas neurológicos no recém-nascido. “Muito antigamente dizia-se que o procedimento poderia causar paralisia cerebral, contudo encontram-se causas genéticas que ocorrem durante a gestação, e não na hora do parto, para esses problemas”, esclarece o especialista.

Outro acontecimento que gera receio é a mudança de planos na hora do nascimento. Ramos explica que as pacientes terão a necessidade de uma cesariana por motivos médicos em 25 a 30% das tentativas de parto normal. O médico ressalta que a decisão pode ocorrer nos últimos minutos e essa sensação de que o propósito inicial não está dando certo assusta.

Como lidar com o medo

O especialista afirma que o medo do parto precisa ser reduzido com uma boa relação entre médico e paciente. Todas as dúvidas e receios devem ser amplamente discutidos com o profissional que acompanha o pré-natal.

Antes do nascimento, deve-se procurar a maternidade onde será realizado o parto para diminuir a ansiedade. Ramos ressalta que maternidade não é como o restante de um hospital tradicional e que as pessoas estão lá para contribuir com o processo fisiológico do nascimento.

O acompanhamento pré-natal é um atendimento que rastreia as principais situações críticas que podem acometer a mãe ou o paciente. Realizar todas as visitas ao médico e ver que os exames não detectam nenhuma alteração tranquiliza qualquer gestante.

Além disso, conhecer a equipe que estará junto no momento do parto ajuda pela credibilidade das informações e orientações que cada participante do procedimento possa dar à mamãe. Ramos afirma que é essencial ter confiança nos médicos e enfermeiras que ajudarão nesse momento tão importante.

Por fim, a presença de um familiar de confiança, especialmente o pai do bebê, ajuda muito na redução da angústia durante o trabalho de parto.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 


Sites parceiros