Clínica Geral > Saúde

Tudo o que você precisa saber sobre Herpes

Por Redação Doutíssima 27/05/2013

herpes

O que é?

Originalmente, os dois vírus da herpes são da mesma família do vírus herpes simples (HSV), que são transmitidos através do contato com a área infectada. Uma vez instaladono organismo, ele permanece no corpo durante toda a vida, apenas esperando uma oportunidade para aparecer. E estas oporunidades podem ser uma febre, estresse, cansaço, exposição ao sol ou frio, trauma, baixas no sistema imunológico.

 

Herpes labial: um beijo é o suficiente

Comumente conhecida como “feridas”, esta forma de herpes (HSV1) provoca bolhas e crostas que desaparecem em poucos dias. No entanto, mesmo antes de aparecer, a pessoa já carrega o vírus. Quando contaminado, a infecção primária geralmente passa despercebida, mas torna-se contagiosa sem saber. Podemos, assim, transmitir o vírus durante um beijo nos lábios, mas também durante o sexo oral ou contaminar outras partes do seu corpo (nariz, olhos, olhos …) se você tocar as lesões esquecendo em seguida de lavar as mãos.

Herpes genital é cada vez mais comum

Esta forma de herpes é uma infecção sexualmente transmissível (IST)  que cada dia aumenta mais. Por muito tempo pensou-se que o herpes genital fosse possível apenas devido ao segundo tipo de vírus (HSV2), mas agora os especialistas descobriram que o vírus do herpes labial seria responsável por cerca de 45% dos casos de herpes genital.

O herpes genital provoca bolhas no colo do útero ou da vulva e no pênis nos homens. Os surtos podem causar dor significativa, mas esta forma de herpes especialmente favorece a ocorrência de outras doenças sexualmente transmissíveis, como a AIDS.

Em mulheres grávidas, o herpes genital tem sido uma ameaça para o feto durante a gravidez eo parto, exigindo uma cesariana. Hoje, com a supervisão e uso de tratamento preventivo adequado, a transmissão do vírus de mãe para filho tornou-se praticamente inexistente.

Tratamentos

Nenhum medicamento ou vacina é atualmente capaz de erradicar o vírus do herpes, o qual tem a tendência de voltar a ocorrer. No entanto, existem antivirais que se utilizado nos primeiros sintomas (formigação, ardor …), muitas vezes previne o aparecimento de uma lesão ou encurta sua duração. Especialmente para pessoas que freqüentemente apresentam recaída e aqueles que pertencem a um grupo chamado “discordantes” (um tem herpes, o outro parceiro não). Eles podem fazer uso de medicamentos via oral continuamente, reduzindo o risco de contaminação. Usando preservativo, é claro, essencial.

 

Fonte: Femme Actuelle


Sites parceiros