Guia do Câncer

Câncer de garganta: da prevenção ao tratamento da doença

Por Redação Doutíssima 22/10/2014

Um tipo bastante comum de câncer, o de garganta, atinge regiões como a faringe e a laringe. A boa notícia é que, quando descoberto precocemente, tem grande chance de cura.

 

Um dos grandes problemas do câncer de garganta é que as pessoas desconhecem seus sintomas e a busca pelo tratamento acaba sendo tardia. Saiba mais como prevenir e tratar essa doença que afeta tantas pessoas.

câncer-de-garganta

Atacar os fatores de risco é a melhor forma de se manter longe da doença. Foto: iStock, Getty Images

Causas e sintomas do câncer de garganta

 

São sinais de alerta para câncer de garganta sintomas como dor, nódulos e desconforto na região do pescoço; tosse recorrente com ou sem sangue; rouquidão e perda de voz com frequência; dificuldade para engolir; dificuldade para respirar da forma correta ou sons diferentes e perda de peso.

 

Diversos fatores podem contribuir para o desenvolvimento de câncer, como a pré-disposição genética. Mas, os maus hábitos e fatores externos precisam ser seriamente levados em consideração.

 

O tabagismo gera muitos danos ao corpo humano e, entre eles, afeta a garganta. O excesso de consumo de álcool, exposição a substâncias tóxicas e radiação também são causas para o surgimento deste tipo da doença.

 

Alguns estudos indicam que o Papiloma Vírus Humano – HPV, transmitido pelo sexo oral desprotegido, pode ser uma das principais causas do câncer de garganta. O HPV é um vírus que causa lesões em mucosas e na pele.

 

Como prevenir o câncer de garganta

 

Os fatores externos que causam o câncer de garganta podem ser prevenidos com mudanças nos hábitos de risco. Parar ou diminuir o tabagismo e a ingestão de bebidas alcoólicas são fundamentais.

 

A prática do sexo oral deve ser feita com o uso de camisinha. Exposição a gases e produtos tóxicos deve ser evitada ou realizada com equipamento de proteção individual.

 

Exames de revisão de saúde devem ser realizados, ao menos uma vez ao ano, especialmente quando há o risco genético. A chance de cura é muito nesse tipo de câncer quando a doença é diagnosticada a tempo.

 

Vale lembrar ainda que seguir uma alimentação saudável e a prática de exercícios físicos são fatores de prevenção para qualquer doença.

 

Tratamento é variável

 

Como já citado, o diagnóstico precoce é decisivo para o resultado do tratamento e cura do câncer de garganta. A escolha do tipo de tratamento irá depender onde o tumor está alojado, seu tamanho, se já está espalhado (com metástase), entre outros. O médico ainda pode, após avaliação da situação, fazer a retirada da área cancerosa através de cirurgia.

 

Opções frequentes de tratamento são a radioterapia e a quimioterapia. Na radioterapia a região onde se encontra o tumor recebe sessões de radiação. Essa ação modifica o material genético da célula maligna com o objetivo de destruir sua capacidade de se multiplicar.

 

A aplicação da radiação é indolor e é feita em várias sessões curtas. A radioterapia pode ou não ser combinada com a quimioterapia.

 

Já a quimioterapia é o tratamento onde são administrados medicamentos químicos. Quando destinada ao tratamento do câncer, é chamada de quimioterapia antineoplásica. Os compostos químicos utilizados no tratamento do câncer visam atacar as células malignas.

 

O médico pode optar pelo uso de um tipo de medicamento ou realizar aplicações de diferentes drogas, em ciclos, para atacar as células cancerígenas em todas as fases de renovação celular.

 

 


Sites parceiros