Guia do Câncer

Conheça os fatores de risco de tumor no reto e previna-se

Por Redação Doutíssima 01/11/2014

O reto é a porção final do intestino grosso. Trata-se do conduto de comprimento médio de 15 centímetros que possui conexão com o canal anal e que tem por tarefa acumular as fezes para a absorção final de nutrientes antes de eliminá-las do organismo.

Quando se fala de doenças que podem ocorrer na região, uma das que mais preocupa é o tumor no reto. Este tipo de câncer mata quase 15 mil pessoas por ano no Brasil e a expectativa, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), é de que mais de 30 mil novos casos sejam registrados anualmente no país.

tumor-no-reto

Exames periódicos ajudam a garantir a saúde de todo o corpo. Foto: iStock, Getty Images

Via de regra, a ocorrência de câncer na região tem início a partir de pólipos ou lesões na parede interna do intestino grosso. Uma forma de evitar que os danos se desenvolvam para tumores é a detecção e a retirada dos pólipos antes que se tornem malignos. E para ter este tipo de cuidado, fique atento às dicas:

Como se precaver contra o tumor no reto

– Idade

Depois dos 50 anos, as chances de ser acometido por tumor no reto aumentam. Mais de 90% dos casos são diagnosticados após a quinta década de vida.

– Histórico pessoal de pólipos ou câncer colorretal

Pré-existência de adenomas amplia o risco de câncer colorretal, sobretudo quando se tratam de pólipos grandes ou em quantidades significativas. Pessoas que já trataram casos de tumor no reto, ainda que completamente extraído, tendem a desenvolver novos tipos de câncer em outras regiões do cólon e do reto.

– Histórico pessoal de doença inflamatória intestinal

Pessoas com colite ulcerativa e doença de Crohn, por exemplo, têm mais probabilidade de desenvolver câncer colorretal.

– Histórico familiar de câncer colorretal

Em torno de 20% dos que registram a enfermidade afirmam ter outros membros da família afetados por câncer na região em algum momento.

– Síndromes hereditárias

Por volta de 5% a 10% das pessoas que apresentam câncer colorretal herdaram modificações genéticas que desencadeiam a doença. As síndromes mais comuns de ordem genética são a polipose adenomatosa familiar, o câncer colorretal hereditário sem polipose, a Síndrome de Gardner, a Síndrome de Turcot, a Síndrome de Peutz-Jeghers e polipose MUTYH.

– Etnia

Ainda não se sabe por que, mas indivíduos negros têm maior prevalência de câncer colorretal.

– Diabetes tipo 2

Estudos comparativos sugerem que pacientes com diabetes tipo 2 têm mais chances de vivenciar câncer colorretal.

– Hábitos

Estilos de vida inadequados têm sido ligados à incidência de tumor no reto. Dietas inapropriadas, sobrepeso e sedentarismo são apontados como fatores de risco para o aparecimento de diversas variações cancerígenas, inclusive a colorretal. O consumo frequente de carne vermelha ou alimentos processados pode aumentar os riscos.

– Trabalho noturno

Estudos já sinalizaram que trabalhar à noite por pelo menos três vezes no mês no período de 15 anos pode expandir o risco de tumor no reto, especialmente em mulheres. Acredita-se que as alterações nos níveis de melatonina no organismo tenham a ver com a questão.

– Tratamento prévio de câncer

Quem já precisou passar por tratamentos com radioterapia devido a tumores na região, como cânceres de próstata ou testículo, tem mais chances de desenvolver câncer no reto.

 

 


Sites parceiros