Estética

Tudo sobre o peeling de cristal: suas indicações e principais cuidados

Por Redação Doutíssima 21/11/2014

Conhecido por fazer milagres, o peeling de cristal já ganhou e continua ganhando muitas adeptas. Por não ser químico, ele é de mais fácil aplicação e também recuperação. É um tratamento muito indicado para quem quer rejuvenescer a pele, eliminar alguns sinais e ficar com o rosto mais bonito e viçoso.

peeling-de-cristal

Tratamento ajuda a pele a ficar lisa e bela de forma rápida. Foto: iStock, Getty Images

Mas não é só no rosto que este tratamento pode ser aplicado. O peeling de cristal pode ser feito em outras partes do corpo, como coxas e bumbum. A retirada das células mortas ocasionada pelo procedimento ajuda no tratamento contra celulite e estrias.

Em outras regiões do corpo, como pescoço, colo e abdômen, também é indicado o peeling de cristal para deixar a pele com aparência mais bonita e jovem.

Peeling de cristal pode ser usado por mulheres e homens

Por fazer uma esfoliação, este tipo de peeling também é indicado em casos de foliculite, os malditos pelos encravados. O tratamento, neste caso, é recomendado para homens e mulheres e pode auxiliar bastante a evitar que os folículos capilares fiquem presos na pele.

No entanto, não é recomendado nenhum tratamento abrasivo (como peelings e esfoliações) quando os pelos encravados estão em processo inflamatório, pois a situação pode piorar e a região ficar muito sensível e dolorida.

O peeling de cristal, como a maioria dos peelings, remove as células mortas das camadas superiores de pele, fazendo com que células mais jovens tomem o lugar destas.

As células jovens vão regenerar problemas superficiais e renovar a aparência da pele como um todo. O peeling também estimula a produção de colágeno, essencial para manter a elasticidade da pele.

O peeling de cristal pode ser feito por médicos e esteticistas qualificados para a aplicação do tratamento e existem duas versões: uma mais profunda e uma mais superficial. Ambas retiram células mortas e estimulam a produção de colágeno, mas a versão mais profunda, que só pode ser apicada por médicos, é associada ao uso de ativos que vão regenerar e tratar melhor a região.

O peeling profundo é capaz de remover manchas mais antigas e tratar a pele como um todo de maneira mais profunda. Já o peeling superficial é ideal para marcas de expressão e manchas como bronzeado não-uniforme.

A parte dos cristais fica pelo procedimento em si, em que uma máquina joga contra a pele cristais muito pequenos que “arranham” a superfície e, ao mesmo tempo, suga de volta tanto os cristais quanto as células e impurezas que se desprendem da região.

O processo pode causar uma dor leve e, em casos de alta sensibilidade, o profissional encarregado do tratamento pode utilizar um anestésico tópico antes de iniciar. A quantidade de sessões varia de pessoa para pessoa, conforme o tipo de pele, as imperfeições que deseja ser eliminadas e a sensibilidade do paciente.

O intervalo entre uma sessão de tratamento e outra deve ser de, no mínimo, 20 dias. É muito importante escolher um profissional qualificado e de confiança para que o tratamento garanta os resultados esperados.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima!


Sites parceiros