Fertilidade

Saiba como usar a tabelinha para não engravidar

Por Redação Doutíssima 12/06/2015

Provavelmente, você já deve ter ouvido alguém dizer que usa a “tabelinha para não engravidar”. Antes da pílula anticoncepcional e dos preservativos, as mulheres precisavam descobrir seus dias férteis todos os meses e evitar o sexo durante esse período. Mas, como acontece com outros métodos anticoncepcionais, a tabelinha não é 100% segura.

 

Como a tabelinha para não engravidar funciona?

A tabelinha é uma forma de evitar a gravidez aproveitando o ciclo natural da fertilidade. Segundo informações da Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde, ela exige uma compreensão do ciclo de ovulação natural do corpo, fazendo com que as mulheres se abstenham do sexo durante seus dias férteis ou, então, usem outro tipo de contracepção.

 

Foto: iStock/GettyImages

A tabelinha é uma forma de evitar a gravidez aproveitando o ciclo natural da fertilidade. Segundo informações da Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde, ela exige uma compreensão do ciclo de ovulação natural do corpo, fazendo com que as mulheres se abstenham do sexo durante seus dias férteis ou, então, usem outro tipo de contracepção.

ovulaçao
Foto: Shutterstock

As maiores chances de uma mulher engravidar ou estar fértil são durante ou antes da ovulação. A ovulação ocorre quando um óvulo é liberado pelos ovários. Ela ocorre aproximadamente uma vez por mês, cerca de 12 a 16 dias após a menstruação.

o que e fecundacao
Foto:iStock, Getty Images

Uma vez que um óvulo é liberado pelo ovário, sua vida útil é muito breve – a concepção é possível apenas de 24 a 48 horas após o momento da ovulação real. Entretanto, é preciso atenção, já que o esperma masculino é capaz de permanecer vivo e viável no corpo da mulher por até cinco dias após a ejaculação.

calculadora de fertilidade
Foto: iStock, Getty Images

Essas realidades biológicas, combinadas, tornam o período real de fertilidade viável de cinco a oito dias, na maioria dos casos, com variações substanciais dependendo de características específicas dos parceiros, frequência das relações sexuais ejaculatórias durante os períodos férteis e inúmeros outros fatores.

calculadora de fertilidade

Por outro lado, é preciso conhecer bem seu ciclo menstrual e as mudanças que ocorrem no corpo. É que o dia específico em que a ovulação ocorre depende da duração do ciclo menstrual – ou seja, você só poderá usar a tabelinha para não engravidar se tiver essas informações.

periodo-fertil
Foto: iStock/GettyImages

periodo-fertil
Foto: iStock/GettyImages

Para isso, é preciso registrar pelo menos de seis a 12 meses de ciclos menstruais antes de confiar totalmente na tabelinha para não engravidar. Por exemplo, se a menstruação ocorre a cada 28 dias, seu dia fértil é o 14º dia do ciclo. Mas como já mencionado, os espermatozoides podem viver por até cinco dias em um corpo de mulher.

tabela-de-fertilidade.jpg
Foto: iStock/GettyImages

Portanto, uma mulher está mais fértil: – 5 dias antes da ovulação – No dia da ovulação – Dentro de 12 a 24 horas após a ovulaçãoA gravidez é menos provável se o período fértil for identificado com precisão e o sexo desprotegido for evitado nesses dias.

 

 

Posso confiar na tabelinha para não engravidar?

Os ciclos menstruais das adolescentes não são muito regulares, e por isso a tabelinha para não engravidar não é indicada para elas. Além disso, se você é portadora de condições que causam períodos irregulares – ter tido um bebê e menopausa, por exemplo –, esse método não será confiável.

 

Ele também não é uma boa opção se você tem síndrome do ovário policístico, que igualmente causa mudanças e irregularidades no ciclo menstrual. Na realidade, a tabelinha para não engravidar só pode ser considerada eficaz se o seu ciclo ocorrer sempre no mesmo número de dias e se ela for usada corretamente. Para as mulheres com ciclos muito regulares, a taxa de falha é estimada em 13%.

 

Por isso, nunca dispense o uso dos preservativos nas relações sexuais. Além de ser um contraceptivo, a camisinha protege contra as doenças sexualmente transmissíveis (DSTs).

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!