[the_ad_group id="16401"]
Gestante

Hipertensão na gravidez: saiba quais os riscos para mãe e bebê

Por Redação Doutíssima 13/08/2015

A hipertensão na gravidez é uma das complicações mais comuns nessa fase de mudanças tão intensas. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH), a doença atinge 5% das gestantes e requer uma série de cuidados.

 

A falta de controle ou de identificação desse problema pode levar a complicações bem sérias como convulsões, edema agudo dos pulmões, hemorragia e descolamento prematuro da placenta.

hipertensao na gravidez

O aumento da pressão sanguínea durante aa gravidez pode causar parto prematuro. Foto: iStock, Getty Images

O bebê também pode ser atingido pelas complicações da hipertensão na gravidez como baixo peso fetal, nascimento prematuro, sofrimento fetal e até mesmo a morte, tanto do bebê, quanto da mãe.

De acordo com estatísticas do Ministério da Saúde, a hipertensão na gravidez leva à morte 13,8% de grávidas no Brasil.

É importante ressaltar que uma mulher pode ter hipertensão na gestação por que já era hipertensa antes de engravidar, ou ainda desenvolver a doença durante a gravidez mesmo. Para que haja o diagnóstico ligado à gestação, é preciso que o problema se manifeste após a 20ª semana.

Nesse caso, a tendência é que desapareça em até três meses após o parto. Essa é a denominada hipertensão crônica preexistente.

Hipertensão na gravidez e suas complicações

Há outro tipo de hipertensão na gravidez, a pré-eclâmpsia, que é aquela detectada após a 20ª semana de gestação. Ela é causada pela perda de proteínas na urina, é denominada de proteinúria e também pode estar associada a complicações renais, hepáticas, do sistema nervoso central e também à redução do número de plaquetas.

Um dos maiores riscos da hipertensão na gravidez é o parto prematuro. Ainda não se sabe o motivo, mas a pressão alta na gestação leva ao envelhecimento precoce da placenta.

Isso impede que o bebê receba nutrientes naturalmente, por isso, quando a mãe apresenta o problema, muitas vezes é necessário que se antecipe o nascimento da criança. Quanto mais alta estiver a pressão materna, maior será o risco de insuficiência placentária e de nascimento prematuro.

Os cuidados com quem tem pré-eclâmpsia não são diferentes daqueles destinados a quem tem hipertensão independentemente da gravidez. A pressão arterial deve ser constantemente monitorada e o uso de medicamentos vai depender muito de cada caso, não se trata de uma regra para todas as gestantes hipertensas.

No entanto, caso a mulher tome medicamentos para a hipertensão antes de engravidar, é preciso que haja uma avaliação médica para troca de remédios, pois alguns não podem ser usados por grávidas e devem ser substituídos.

Hipertensão na gravidez sugere mudanças

O mais importante, de acordo com os especialistas, é que a gestante hipertensa comece por mudar o estilo de vida e seguir as recomendações de seu médico.

Ela deve ingerir pouca quantidade de sódio, prestar atenção ao peso, dormir de maneira adequada e dedicar-se a alguma atividade física, que pode ser uma caminhada. Importante salientar que todo esforço físico deve ser supervisionado e indicado por um profissional devidamente qualificado.

Há casos de mulheres que são hipertensas antes de engravidarem e que podem ter o problema normalizado durante a gestação. Isso ocorre porque a gestante tem queda de pressão fisiológica nesse período, já que o sangue precisa circular mais.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]