Filhos

Aprenda a usar slings para carregar seu bebê com segurança

Por Redação Doutíssima 11/09/2015

Os slings têm se tornado um item indispensável para as mamães. Afinal, é uma forma de manter o bebê o mais perto possível e uma alternativa segura para transportá-lo – desde que seguidas as diretrizes de segurança. Quando usado incorretamente, no entanto, pode representar um perigo de sufocamento para crianças menores de quatro meses de idade.

 

De onde surgiram os slings?

Os slings são um tipo de carregador, geralmente feitos em tecido, que permitem que o bebê fique próximo ao corpo da mãe em diversas posições. O que diferencia o acessório de outros modelos disponíveis é que ele não possui uma abertura para as pernas.

slings

Sling é um acessório para transportar o bebê que deixa o dia a dia da mulher mais prático. Foto: iStock, Getty Images

Parece novidade, mas essa é uma prática de séculos em todo o mundo. Já antes dos anos 1900, papais ao redor do planeta usavam panos longos, xales, lenços e até mesmo lençóis para manter seus bebês seguros durante o dia a dia.  

 

Foi na década de 1980, porém, que Rayner Garner inventou um modelo com dois anéis e bordas acolchoadas para sua esposa carregar o bebê do casal. Esse projeto básico ainda existe hoje, com diversas marcas e tipos para escolher.

 

Quais os benefícios do uso?

É natural para o bebê estar perto da mãe – isso pode ajudá-lo a estar mais feliz e cria uma ligação mais forte entre mãe e filho. Com esse acessório isso é possível, sendo que ele, inclusive, permite que ela possa caminhar livremente sem preocupar-se com multidões ou corredores estreitos demais para um carrinho.

 

Um estudo publicado no American Journal of Physical Anthropology descobriu que ferramentas como slings economizam 16% da energia da mãe em comparação a carregar o bebê nos braços.

Além disso, outra pesquisa realizada pela Universidade de Montreal, Canadá, indica que crianças transportadas por três ou mais horas por dia nos primeiros três meses de vida choram 43% menos.

 

Controvérsia em torno dos slings

Os pais devem tomar cuidado ao usar esse meio de transportar bebês. Quando colocados incorretamente, os bebês podem se sufocar porque não possuem capacidade física para sair das posições perigosas que bloqueiam suas vias respiratórias. As crianças menores de quatro meses, prematuras e com baixo peso ao nascer parecem estar em maior risco.

 

São duas as posições em particular que apresentam mais perigo: deitar com as costas curvadas, com o queixo apoiado no peito, e deitar com o rosto pressionado contra o tecido do sling ou o corpo do utilizador.

Desde 2010, houve três mortes na Austrália como resultado de asfixia em um sling para bebê, e pelo menos 14 mortes nos Estados Unidos ao longo das últimas duas décadas. No Brasil, ainda não há casos conhecidos.

 

Se você decidir usar um sling, tome medidas para reduzir os riscos:

1. Leia as instruções

slings

Antes de optar pelo uso do sling no dia a dia, é preciso ler as instruções do acessório. Foto: Shutterstock

Verifique duas vezes o peso mínimo do acessório antes de colocar o bebê nele.

2. Cuide do rosto do bebê

slings

Ao usar o sling para carregar o bebê, evite que o tecido cubra o rosto da criança. Foto: Shutterstock

Certifique-se que o rosto do bebê não é coberto pelo tecido e é visível para você em todos os momentos.

 

3. Amamente com cuidado

slings

Ao amamentar o bebê no sling, é preciso encontrar uma posição confortável para a criança. Foto: Shutterstock

Se você amamentar o seu bebê em um sling, certifique-se de mudar a posição dele depois, de modo que sua cabeça esteja voltada para cima.

 

4. Observe o bebê

slings

Não esqueça de verificar se o bebê está seguro e confortável no acessório feito de tecido. Foto: Shutterstock

Verifique o bebê com frequência, certificando-se de que a posição é segura.

 

5. Fique atenta ao acessório

slings

Para manter a segurança do bebê, sempre fique atenta a possíveis danos no acessório. Foto: Shutterstock

Mantenha-se atenta para o desgaste do acessório. Repare quaisquer rasgos ou lágrimas nas costuras e fixadores do sling.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 

 

É fã do Doutíssima? Acompanhe o nosso conteúdo pelo Instagram!


Sites parceiros