[the_ad_group id="16401"]
Especialidades > Saúde

Saiba como evitar a osteoporose com dicas simples

Por Redação Doutíssima 20/02/2014

O Dia Mundial da Osteoporose, comemorado neste dia 20 de outubro, é uma data para se fazer um importante alerta contra esta doença que atinge milhares de pessoas em todo o mundo, principalmente as mulheres idosas. de acordo com a Fundação Internacional de Osteoporose, são registrados mais e 10 milhões de casos somenre no Brasil, o que representa 5% da população do país.

osteoporose

A osteoporose é uma doença dos ossos que atinge principalmente as mulheres e que pode ser evitada. Foto: Shutterstock

Celebrar esta data é uma maneira de chamar a atenção das pessoas para o fato de que é possível prevenir a doença com medidas somples e hábitos saudáveis no dia a dia. Segundo especialistas, uma dieta equilibrada, rica em cálcio, combinada a vitamina D são as melhores maneiras de se fazer a prevenção, além da prática de exercícios físicos, que diminuem o risco de fraturas.

Se você tem dúvidas se produtos laticínios com pouca gordura têm níveis reduzidos de cálcio, se o risco de osteoporose é hereditário ou mesmo sobre em quais casos é indicada a suplementação de cálcio, nós vamos tirar suas dúvidas. As respostas para essas perguntas de como evitar a osteoporose são do professor Bernard Cortet, reumatologista em Lille.

Como evitar a osteoporose?

O cálcio representa, com suas proteínas, um dos principais constituintes dos ossos. Os produtos lácteos são os maiores fornecedores, mas os níveis variam muito de acordo com os produtos: queijos duros como Emmental (356 mg por porção de 30 g), Beaufort (312 mg / porção) e Cantal (291 mg / parte) são muito melhores fontes de cálcio do que o leite (114 mg/100 ml). O queijo branco, que é o mais comum no Brasil, também poussui níveis importantes de cálcio (126 mg/100 g).

Ao contrário da crença popular, produtos dietéticos não são menos ricos em cálcio. De toda forma, caso você possua algum tipo de restrição alimentar, existem diversos outros produtos ricos em cálcio, como águas minerais e outros alimentso naturais.

Produtos menos conhecidos como sardinhas e anchovas banhadas no azeite também são uma boa fonte de cálcio (respectivamente 400 mg e 200 mg por 100 g de peixe). Ao contrário, as frutas e os vegetais têm níveis baixos de cálcio, além disso, esse cálcio é muito mal absorvido pelo organismo. Quanto aos refrigerantes, ricos em ácido fosfórico, que impulsiona o cálcio a ser eliminado na urina, deve ter o seu consumo limitado.

 

osteoporose

Com o passar dos anos, a atenção à osteoporose deve ser redobrada. Foto: Shutterstock

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A massa óssea é 70% determinada pela genética

 A massa óssea se forma até os 20 anos, depois dessa idade ela começa a se degradar lentamente até os 50 anos e a partir de então, de maneira abrupta. É por isso que os especialistas falam sobre a osteoporose como uma “doença pediátrica com expressão geriátrica.” Esta massa óssea é dependente de vários fatores, o mais importante é genético (que intervém em 70%). Quando genético, a doença é incontrolável.

Em outros casos, no entanto, é possível ser controlado:

  1.  Hormônios: Os dados atestam, os homens são três vezes menos afetados do que as mulheres. A puberdade precoce enfraquece a estrutura óssea nas meninas e a deficiência hormonal que ocorre com a menopausa aumenta consideravelmente o risco de osteoporose.
  2.  Atividade física: A prática regular de esporte, mais precisamente correr ou simplesmente caminhar, desempenha um papel na manutenção da massa óssea.

80% das pessoas acima de 70 anos não cobrem as suas necessidades de cálcio

A dose diária recomendada de cálcio é de 1200 mg em média. Mas as necessidades variam de acordo com a idade: 1000 mg é o suficiente para adultos saudáveis​​, jovens em crescimento e idosos devem aumentar em 50% essa dose para chegar a 1 500 mg e satisfazer as necessidades relacionadas ao crescimento para os primeiros e à perda para os últimos. Estima-se que 80% das pessoas com mais de 70 não atingem a dose recomendada, tendo em média uma ingestão de cerca de 600 mg por dia.

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]